Invest

Para onde vai o dólar em 2024? Especialistas apostam em moeda americana abaixo dos R$ 5

Tanto analistas, quanto o Banco Central brasileiro, apontam para uma cotação próxima - até mesmo abaixo - de R$ 5 para o ano que vem

Dólar em 2024: analistas e Banco Central apontam para uma cotação próxima - até mesmo abaixo - de R$ 5 (halduns/Getty Images)

Dólar em 2024: analistas e Banco Central apontam para uma cotação próxima - até mesmo abaixo - de R$ 5 (halduns/Getty Images)

Janize Colaço
Janize Colaço

Repórter de Invest

Publicado em 18 de dezembro de 2023 às 18h26.

Última atualização em 18 de dezembro de 2023 às 18h41.

Qual a projeção de dólar para 2024? Segundo o Banco Central, a estimativa é que a moeda americana acabe 2024 em R$ 5,00. É o que aponta o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 18. A estimativa é um pouco acima da cotação da moeda de hoje, que fechou em R$ 4,905. Ainda assim, a previsão do BC está em linha com especialistas consultados pela EXAME Invest, mas há quem seja ainda mais otimista e trabalhe com um câmbio menor. 

Em relatório, os analistas do BTG Pactual (mesmo grupo controlador da EXAME) projetam um cenário-base com o dólar a R$ 4,85. Isso porque, apesar do diferencial de juros entre Brasil e Estados Unidos apontar uma tendência de queda em 2024, o banco não espera que o efeito resulte em uma depreciação da moeda brasileira. “O início dos afrouxamentos de ciclo monetário nos Estados Unidos e na Zona do Euro, que devem começar no segundo trimestre, serão vetores importantes para a movimentação do índice DXY durante o ano, resultando gradualmente em uma depreciação do dólar ", dizem. 

O BB Investimentos, também em relatório, espera que o câmbio encerre o ano em patamar semelhante ao de 2023, com o dólar cotado a R$ 4,95. Para os analistas, contribui para o otimismo a manutenção do viés positivo para as contas externas e o cenário global, “que contempla quedas sincronizadas de juros na segunda metade do ano que vem.”

Na mesma linha, mas sem trabalhar com a projeção de câmbio, William Castro Alves, estrategista-chefe da Avenue, pontua que os juros americanos em queda incentivam o investimento em ativos de risco — o que, entre outros, inclui moedas emergentes como o Real. “Temos um cenário para 2024 de aparente menor crescimento para os EUA e uma inflação que tem sido controlada, abrindo espaço para corte de juros. Consequentemente, há impactos na cotação do dólar.”

André Perfeito, economista, se mostra mais otimista e aponta dólar em R$ 4,70 para o próximo ano.  Segundo ele, a perspectiva de balança comercial positiva e certa estabilidade macroeconômica no Brasil coloca o real em posição estratégica em relação às demais moedas do mundo. Fora isso aumentam as chances de algum corte nos juros nos EUA o que enfraquece a moeda norte-americana.

E o dólar até o final do ano?

No Boletim Focus desta segunda-feira, o BC revisou a sua estimativa para o câmbio no fim de 2023. Ele saiu de R$ 4,95 para R$ 4,93. Novamente, o cenário é impactado pela conjuntura da política monetária dos bancos centrais globais.

Para Marcio Riauba, gerente da Mesa de Operações da StoneX Banco de Câmbio, as projeções poderiam ser ainda mais otimistas. “Se na semana passada o Federal Reserve (Fed, banco central americano) tivesse ratificado o início da flexibilização dos juros já para o começo de 2024, as projeções poderiam estar mais baixistas.” 

Isso porque, após a última Super Quarta, em que Fed manteve inalterada a taxa de juros no patamar de 5,25% a 5,50%, investidores passaram a precificar o início dos cortes no primeiro trimestre do ano que vem — ou, mais especificamente, para a partir de março. Mas o cenário azedou quando alguns dirigentes, na sexta, 15, afirmaram que ainda é prematuro pensar em cortes. 

“Contribui também [para a projeção do Boletim Focus] o receio quanto ao crescimento global e a contínua queda da atividade na China, acentuado a aversão aos ativos de riscos”, diz Riauba. Ao contrário do BTG, a StoneX é um pouco mais conservadora nas estimativas para o dólar, e trabalha com uma variação de preço-alvo entre R$ 4,96 e R$ 5,04. 

Mas o que pode fazer o dólar subir em 2024?

Fatores que trabalham contra um dólar abaixo dos R$ 5 são variados. Eles vão desde uma piora fiscal no Brasil até questões climáticas. Em relação à política monetária, Alves pontua que um dos riscos é o diferencial de juros americanos frente ao Brasil. “A diferença diminuiu à medida que a Selic vem cedendo e a taxa dos Fed Funds se mantém num patamar elevado.” 

O estrategista-chefe da Avenue ainda alerta que, para o ano que vem, não se sabe se a balança comercial brasileira voltará a bater recordes, como em 2023. “Esse é um fator de risco para essa projeção de dólar na casa dos R$ 5, sobretudo quando você considera os impactos do El Niño sobre as commodities”, diz.

Já o BTG destaca que a melhora externa pode levar a uma deterioração da política fiscal no próximo ano. Se houver mudanças na meta fiscal, com uma contração de 1% a fim de que as despesas não sejam controladas, a sinalização para os anos seguintes será negativa e pode refletir na trajetória da dívida pública. “Caso o governo opte por contingenciar o necessário para cumprir a atual regra fiscal, haveria espaço para uma forte apreciação do real frente ao dólar em 2024 — contudo, este não parece ser o mais provável.”

Confira as últimas notícias de Invest:

Acompanhe tudo sobre:DólarCâmbioRealBoletim Focus

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2726; prêmio é de R$ 30 mi

Devedores têm último fim de semana para aderir ao Desenrola Brasil

Para acelerar atendimento a benefícios sociais, Caixa abre 17 agências no RS no sábado e domingo

Sem ‘abocanhada’ do leão: analista recomenda 4 ativos de renda fixa que pagam até IPCA + 7,1%

Mais na Exame