Invest

"Com menos riscos e mais barata que a Petrobras": por que a Ryo Asset prefere esta petrolífera

Luiz Constantino acredita que PRIO (ex-PetroRio) terá uma geração de caixa proporcionalmente maior do que a estatal no ano que vem

Plataforma de extração de petróleo da PRIO: campo de Wahoo pode aumentar produção em 40%  (Divulgação/Divulgação)

Plataforma de extração de petróleo da PRIO: campo de Wahoo pode aumentar produção em 40% (Divulgação/Divulgação)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 10 de maio de 2024 às 10h34.

Última atualização em 11 de junho de 2024 às 15h48.

Tudo sobrePrio
Saiba mais

Forte geração de caixa e preços relativamente atrativos são pontos geralmente defendidos por quem investe na Petrobras. Mas, na avaliação da gestora Ryo Asset, uma outra ação do setor estaria ainda mais barata do que a estatal e com menos riscos: a PRIO (ex-PetroRio).

"A PRIO está mais barata do que a Petrobras tanto em termos de geração de caixa quanto em TIR (Taxa Interna de Retorno). Ela é menos diversificada em campos, então tem um risco geológico maior. Mas, considerando todos os riscos existentes, políticos, de execução, capex e de intervenção, é claramente um ativo de retorno mais alto e com um risco mais baixo", afirma Luiz Felipe Constantino, gestor da Ryo Asset, em entrevista ao programa Vozes do Mercado, da Exame Invest.

Constantino projeta que, no ano que vem, a PRIO terá uma geração de caixa equivalente a 22% de seu valor, hoje em R$ 42 bilhões. "A geração de caixa da Petrobras, se pagar todo o dividendo extraordinário, seria próxima de 15% e com riscos de tomar sustos todos os dias."

yt thumbnail

Wahoo e Albacora Leste

Parte da expectativa é calcada no início das operações do campo de Wahoo, que ainda depende da aprovação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). "Isso permitirá a PRIO produzir mais 40 mil barris ante a atual capacidade de produção de 100 mil barris. Acreditamos que até o ano que vem a situação já estará normalizada."

A Ryo Asset também vê espaço para a companhia aumentar a produção pelo campo de Albacora Leste, adquirido da Petrobras. "A PRIO tem sido um operador fantástico nos últimos cinco anos, com muito sucesso em execução e alocação de capital, que tem sido muito importante", diz Constantino. Para o gestor, há espaço para a companhia seguir adquirindo novos poços nos próximos anos e, consequentemente, manter o crescimento de sua produção.

"A Petrobras não tem interesse e não consegue ser tão eficiente em poços menores. Por isso, deve continuar desinvestindo. Para a Petrorio, faz sentido comprar essas operações ao longo do tempo e gerar valor."

A Ryo Asset

Luiz Constantino trabalhou 16 anos na gestora Opportunity, onde fazia a gestão de um fundo de R$ 5 bilhões em ações. Em 2021, inaugurou junto com colegas da Opportunity a Ryo Asset, mantendo a filosofia de investimento de longo prazo e a abordagem bottom-up, que parte de premissas microeconômicas para a tomada de decisão. Um dos colegas que acompanharam Constantino desde o início da Ryo foi Milton Baggio, com quem forma uma parceria de mais de 18 anos e que também participou do Vozes do Mercado. "Nosso negócio é um negócio de ter boas pessoas, mas que também saibam trabalhar bem juntas", afirma  Constantino.

Apesar do período relativamente curto desde sua fundação, a Ryo tem pouco mais de R$ 2,4 bilhões sob gestão. Além da PRIO, compõem a carteira de investimentos da Ryo as ações da Equatorial, Iguatemi, Energisa, Eletrobras, Vibra, SmartFit e Sabesp. Constantino e Baggio explicam as teses no programa, disponível no canal da Exame no YouTube.

Acompanhe tudo sobre:PrioPetrobrasAçõesGestores de fundosVozes do Mercado

Mais de Invest

Quanto rende R$ 1 milhão a 120% do CDI?

Petróleo fecha em alta, de olho estoques dos EUA e após decisão do Fed

Contratos de namoro aumentam 385% nos últimos anos; entenda como funciona

Bolsa Família: pagamento de junho começa na segunda-feira; RS recebe antecipado

Mais na Exame