Future of Money

Não perca: Future of Money discute impacto do PIX e do open banking

Painel às 18h com alguns dos maiores especialistas do país discutirá o PIX; às 19h10, será a vez do open banking, com transmissão ao vivo pelo YouTube

Future of Money: evento da EXAME discutirá nas próximas semanas as tendências das finanças no mundo (Exame/Exame)

Future of Money: evento da EXAME discutirá nas próximas semanas as tendências das finanças no mundo (Exame/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de outubro de 2020 às 06h00.

Última atualização em 11 de novembro de 2020 às 17h37.

O aumento do número de bancos digitais e fintechs nos últimos anos trouxe um pouco mais de competição para o setor financeiro, até então um dos mais concentrados e fechados para novos entrantes da economia brasileira. Mas isso pode ser apenas o começo de uma profunda transformação a partir de duas novidades que entram em vigor no próximo mês: o PIX e o open banking. E são, respectivamente os temas dos dois paineis desta quinta-feira, 29, do Future of Money, o maior evento da América Latina para discutir o impacto da tecnologia no sistema financeiro e as novas tendências para o setor.

Tanto o PIX como o open banking vão reduzir de forma expressiva as barreiras de entrada e os custos de transação no setor financeiro, permitindo que fintechs e novos players consigam ser competitivos com grandes bancos -- essa é a expectativa de especialistas.

O painel sobre o PIX começa às 18h e contará com a presença de Elaine Shimoda, diretora de Operações do Mercado Pago, o braço financeiro do Mercado Livre; Leandro Vilain, diretor de Política de Negócios e de Operação da Febraban, a Federação Brasileira de Bancos; Pedro Coutinho, CEO da GetNet; e Rodrigo Cury, sócio do BTG Pactual e head do novo BTG+, o banco digital de varejo da instituição.

yt thumbnail

O PIX é o nome do sistema de pagamentos e transferências instantâneas que vai funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana, com custo zero para pessoas físicas. Desenvolvido pelo Banco Central, chegará no próximo dia 16 com a promessa de decretar a morte do TED e do DOC, dois sistemas que custam bilhões de reais em tarifas para os brasileiros.

Logo depois do debate sobre o PIX, às 19h10, será a vez do painel para discutir o open banking. Ele contará com as presenças de Bruno Magrani, diretor de Políticas Públicas e Ouvidoria do NubankCarlos Ragazzo, professor de Direito da Concorrência da FGV, a Fundação Getulio Vargas; Mariana Cunha e Melo, diretora de Políticas Públicas e Estratégia na QuantoRogério Karp, Head of B2C, Sales & CX no BTG Pactual Digital; e Pedro Cardoso, vice-presidente de Negócios e Marketing na GetNet.

O open banking é o nome dado para o sistema de compartilhamento de dados dos clientes, que passam a exercer de fato a posse de seu histórico bancário e financeiro. De posse dessas informações, os usuários podem negociar melhores condições para a contratação de produtos e serviços, além da experiência oferecida pelas instituições. Ele será implementado em quatro fases ao longo de um ano, sendo que a primeira começa no dia 30 de novembro.

No Brasil, a regulação feita pelo Banco Central a partir de discussões com o setor privado prevê a padronização de interfaces para facilitar o acesso de dados dos clientes, de modo a reduzir custos e facilitar a troca de informações entre bancos, fintechs e outras empresas.

Assista aqui à discussão sobre os efeitos do open banking, dentro do Future of Money:

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:BTG PactualFebrabanFuture of MoneyMercado LivreNubankopen-bankingPIX

Mais de Future of Money

Investidores do bitcoin ainda não precificaram possível vitória de Trump, diz gestora

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 61 milhões na poupança

Programa Apoio Financeiro: Caixa paga parcela de R$ 1.412 a trabalhadores do RS

Bitcoin bate máxima histórica de preço em relação ao real, mesmo sem recorde em dólar

Mais na Exame