Live icon 

ELEIÇÕES 2022:  

Lula e Bolsonaro vão disputar o segundo turno Veja agora.

Com juros de 4,5%, ainda vale a pena investir em Tesouro e CDBs?

Especialista responde dúvida de leitor sobre investimentos. Envie você também a sua pergunta
Dúvida: investimentos em renda fixa continuam a ser importantes para reservas de emergência e segurança da carteira de aplicações (AndreyPopov/Thinkstock)
Dúvida: investimentos em renda fixa continuam a ser importantes para reservas de emergência e segurança da carteira de aplicações (AndreyPopov/Thinkstock)
L
Letícia Camargo, planejadora financeira certificada pela Planejar*

Publicado em 26/01/2020 às 07:00.

Última atualização em 26/01/2020 às 08:00.

Dúvida do leitor: "Tenho uma aplicação no Tesouro Selic 2025 e em dois CDBs, que pagam 120%  e 116% do CDI e vencem em 2021 e 2022. Levando em conta uma taxa de juros de 4% no atual cenário e se eu não for precisar deste dinheiro investido, seria interessante eu manter estas aplicações ou devo resgatar os valores e investir em outra aplicação?”

Resposta de Letícia Camargo, CFP®:

Prezado leitor,

Em primeiro lugar, independente da taxa de juros atual, seria importante que você pudesse guardar em sua reserva de emergências um montante entre 6 a 12 vezes seus gastos mensais.

Esse dinheiro deverá ser investido em produtos com baixo risco e boa liquidez. O Tesouro Selic, no qual você já possui aplicação, é uma boa opção, lembrando que seu resgate fica disponível no dia seguinte à solicitação.

Para os valores acima dessa reserva e dependendo do seu perfil de risco você poderia diversificar um pouco seus investimentos, conforme seus objetivos e prazo de investimento. Se for conservador, o ideal é investir em renda fixa mesmo, colocando uma pequena parte em produtos atrelados à inflação. Se for moderado, você poderia investir, além dos produtos já mencionados, em fundos multimercado, como forma de buscar melhores rentabilidades.

Mesmo com a Selic mais baixa, os produtos de renda fixa conservadores continuam sendo importantes na carteira, pois além de garantirem a tranquilidade da reserva de emergência também servem como uma espécie de colchão de segurança da carteira, mantendo a sua rentabilidade mais estável em momentos de crise.

Letícia Camargo é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar - Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: leticia@leticiacamargo.com.br.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site Exame ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Envie suas dúvidas sobre investimentos para seudinheiro_exame@abril.com.br.