Invest

BV e Mercado Livre realizam feirão online de carros

A partir de 10 de agosto, clientes terão acesso a ofertas de automóveis de mais de 6 mil lojas com condições especiais

Carros: feirão celebra a renovação da parceria entre BV e Mercado Livre para financiamento de automóveis por mais três anos (Carl Court/Getty Images)

Carros: feirão celebra a renovação da parceria entre BV e Mercado Livre para financiamento de automóveis por mais três anos (Carl Court/Getty Images)

Nesta quinta-feira, 4, o Banco BV anunciou a realização de um feirão online de carros em parceria com o Mercado Livre. A partir de 10 de agosto, os clientes terão acesso a ofertas de mais de 6 mil lojas com condições especiais e esteira de contratação digitalizada.

O feirão celebra a renovação da parceria entre as duas empresas para financiamento de veículos na plataforma do Mercado Livre por mais três anos. Nela, os consumidores podem realizar a simulação do financiamento junto ao BV em mais de 80 mil anúncios de carros, além de uma pré-análise do crédito. Os lojistas recebem os contatos dos interessados para finalizar a negociação diretamente no sistema que já é utilizado com o BV.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Condições especiais até o final de agosto

Os clientes interessados em comprar um veículo no feirão terão direito a uma carência de 60 dias para o pagamento da primeira parcela do financiamento. Além disso, será possível financiar veículos de até 19 anos com prazos que podem se estender por até 60 meses, entre carros zero km e usados de mais de 6 mil lojas da plataforma. Não há limite de valor para financiar.

Acompanhe tudo sobre:CarrosFeirasfinanciamentos-pessoaisMercado LivreVeículos

Mais de Invest

Quina de São João: confira o resultado e quantas apostas foram sorteadas

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2740; prêmio acumulado é de R$ 86 milhões

Veja o resultado da Quina especial de São João; prêmio é de R$ 230 milhões

Cosan (CSAN3): entenda por que as ações da holding derreteram 34% em 2024

Mais na Exame