Aluguel: conheça os bairros de São Paulo mais caros para morar

Preço médio do metro quadrado ficou em 34,96 reais em agosto, estável em relação a julho, mas com queda aproximada de 10% desde o início da pandemia, aponta levantamento do QuintoAndar
Vista do bairro do Paraíso a partir do Parque Ibirapuera, em São Paulo: uma das regiões mais valorizadas da cidade | Foto: Germano Lüders/EXAME (Germano Lüders/Exame)
Vista do bairro do Paraíso a partir do Parque Ibirapuera, em São Paulo: uma das regiões mais valorizadas da cidade | Foto: Germano Lüders/EXAME (Germano Lüders/Exame)
D
Da Redação

Publicado em 06/09/2021 às 12:01.

Última atualização em 06/09/2021 às 12:15.

A pandemia derrubou os preços médios de aluguel na cidade de São Paulo, a despeito da disparada do IGP-M com a alta do dólar e das commodities. A queda nominal do metro quadrado para locação se aproxima dos 10% desde março de 2020, que marca o início das medidas de restrição à atividade econômica e à circulação em razão do coronavírus, até o mês passado. É o que revela a nova edição do Índice QuintoAndar de Aluguel, calculado pelo QuintoAndar.

Apesar da queda, a diferença média entre o preço anunciado pelo proprietário e o valor efetivamente acertado em contrato nunca foi tão grande desde o início da série histórica: 14,98%. Isso significa que um imóvel colocado para alugar por 2.000 reais acaba sendo negociado para locação por 1.700 reais.

O cálculo do QuintoAndar é relevante porque leva transparência para as duas partes (proprietário e inquilino) e permite uma precificação mais realista do imóvel, o que tende a economizar tempo e dinheiro para ambos.

O preço médio do metro quadrado para aluguel na capital paulista, maior mercado do país, ficou em 34,96 reais, praticamente estável em relação aos 34,95 reais de julho. No acumulado em 12 meses, a variação é de -3,35% segundo o indicador. Mas, no começo da pandemia, em março de 2020, os preços estavam na faixa de 39,00 reais.

Com o preço médio de 34,96 reais, um apartamento com 50 metros quadrados teria o aluguel a 1.748 reais (sem contar, portanto, despesas com condomínio e IPTU).

O estudo aponta ainda o comportamento dos preços de aluguel conforme o número de quartos: os imóveis com um dormitório foram aqueles que tiveram maior queda desde o início da pandemia, passando de um patamar próximo a 55,00 reais em março de 2020 para 43,45 reais em agosto, ligeiramente acima dos 43,03 reais de julho.

No caso de imóveis com dois quartos, o preço médio do metro quadrado estava em 30,47 reais no mês passado; e com três dormitórios, em 27,41 metros quadrados. Neste último caso, um apartamento com 100 metros quadrados seria alugado por 2.741 reais.

O QuintoAndar opera a maior plataforma digital de aluguel de imóveis do país, com 120.000 contratos ativos e mais de 50 bilhões de reais sob gestão. A startup fundada em 2013 pelos empreendedores Gabriel Braga e André Penha foi avaliada no mês passado em 5,1 bilhões de dólares depois de uma extensão de uma rodada Series E que levantou ao todo 420 milhões de dólares.

O levantamento da startup revelou ainda os dez bairros de São Paulo com o metro quadrado mais elevado:

  1. Vila Olímpia: 53,0 reais
  2. Real Parque: 52,7 reais
  3. Vila Nova Conceição: 49,4 reais
  4. Pinheiros: 47,0 reais
  5. Itaim Bibi: 46,4 reais
  6. Vila Madalena: 45,6 reais
  7. Santo Amaro: 44,1 reais
  8. Consolação: 43,4 reais
  9. Água Branca: 43,1 reais
  10. Vila Leopoldina: 42,4 reais