Twitter terá 'pílulas de veneno' para barrar oferta hostil de Musk

Conselho de administração da rede social aprova poison pills para tentar barrar o sucesso da proposta de US$ 43 bilhões do homem mais rico do mundo
Conselho do Twitter aprova plano para rechaçar o plano de Elon Musk de adquirir toda a empresa (Andrew Burton/Getty Images/Getty Images)
Conselho do Twitter aprova plano para rechaçar o plano de Elon Musk de adquirir toda a empresa (Andrew Burton/Getty Images/Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 15/04/2022 14:42 | Última atualização em 15/04/2022 21:11Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A batalha envolvendo Elon Musk e o Twitter acaba de ganhar um novo capítulo nesta sexta-feira, 15 de abril. A empresa que opera a rede social acaba de informar ao mercado que adotará as chamadas poison pills por um ano, até 14 de abril de 2023, "depois da proposta não solicitada e não vinculativa para aquisição do Twitter". O novo plano foi aprovado pelo conselho de administração da companhia de forma unânime.

Na manhã de quinta-feira, dia 14, Musk revelou uma oferta de US$ 43 bilhões para comprar todas as ações do Twitter, com prêmio de cerca de 18% sobre o fechamento da véspera. Foi uma oferta hostil, não solicitada nem negociada com o conselho da companhia nem com os acionistas.

As poison pills, ou pílulas de veneno em tradução literal, são mecanismos de mercado adotados em geral para proteger os acionistas de uma companhia, em particular os minoritários.

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia: assine a EXAME por menos de R$ 0,37 e receba notícias em primeira mão

No caso das poison pills do Twitter, se qualquer pessoa ou entidade adquirir 15% ou mais das ações da companhia em negócio não aprovado pelo conselho, cada acionista terá o direito de adquirir ações comuns equivalentes da companhia ao preço corrente de mercado. Na prática, isso pode inviabilizar qualquer oferta hostil, na medida em que o direito de subscrição garante que os acionistas mantenham suas participações, enquanto o ofertante acabará diluído.

Segundo a empresa em comunicado ao mercado, o novo plano "reduz a probabilidade de que qualquer entidade, pessoa ou grupo ganhe o controle do Twitter por meio de acumulação no mercado sem o pagamento a todos os acionistas do prêmio de controle apropriado ou sem providenciar ao conselho tempo suficiente para fazer um julgamento com informações e tomar ações que sejam do melhor interesse dos acionistas".

Segundo especialistas em mercados de capital, no entanto, a batalha está longe de decidida. Musk poderá questionar na esfera administrativa ou até na Justiça a nova estratégia do conselho do Twitter.

Musk, o homem mais rico do mundo, com patrimônio acima de US$ 250 bilhões, disse que pretende comprar todas as ações do Twitter para fechar o capital da companhia. O fundador e CEO da Tesla e da SpaceX alega que a forma como a empresa tem sido conduzida não atende ao que ele entende ser o melhor para a sociedade.