Invest

Suzano (SUZB3) reverte prejuízo e tem lucro de R$ 5,44 bilhões no terceiro trimestre

A receita líquida da companhia cresceu 32% no terceiro trimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado, somando R$ 14,199 bilhões

Suzano: o resultado forte reflete principalmente a evolução de preços globais da celulose, o maior volume de vendas e o câmbio favorável às exportações (SOPA Images/Getty Images)

Suzano: o resultado forte reflete principalmente a evolução de preços globais da celulose, o maior volume de vendas e o câmbio favorável às exportações (SOPA Images/Getty Images)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 27 de outubro de 2022 às 18h56.

Última atualização em 27 de outubro de 2022 às 19h07.

Suzano (SUZB3) divulgou nesta quinta-feira, 27, que teve lucro líquido de R$ 5,448 bilhões no terceiro trimestre deste ano. No segundo trimestre do ano passado, a companhia de papel e celulose tinha registrado um lucro bem menor, de R$ 182 milhões. Já no mesmo período de 2021, teve prejuízo de R$ 959 milhões.

A receita líquida da companhia cresceu 32% no terceiro trimestre, na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, somando R$ 14,199 bilhões. Frente ao trimestre anterior, houve alta de 23%.

Ebitda ajustado teve alta de 36% para R$ 8,596 bilhões, um recorde histórico. A margem Ebitda aumentou de 69% para 61%, na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. Segundo a Suzano, o resultado trimestral reflete principalmente a evolução de preços globais da celulose, o maior volume de vendas e o câmbio favorável às exportações.

A relação entre dívida liquida e o Ebitda ajustado ficou em 2,1 vezes. A dívida bruta da Suzano terminou junho em R$ 76,06 bilhões para um caixa de R$ 18,27 bilhões.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoressuzano

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame