Acompanhe:

Selic sobe para 13,25%: 5 opiniões do mercado sobre a maior taxa desde 2016

Sinalização de nova alta de juros em agosto deixa – mais uma vez – a porta aberta para a continuação do ciclo de aperto monetário

Modo escuro

Continua após a publicidade
Decisão do Copom: A taxa Selic deve aumentar em 0,5 ponto percentual, sendo essa a 11ª alta consecutiva da taxa. (Ueslei Marcelino/Reuters)

Decisão do Copom: A taxa Selic deve aumentar em 0,5 ponto percentual, sendo essa a 11ª alta consecutiva da taxa. (Ueslei Marcelino/Reuters)

B
Beatriz Quesada

Publicado em 15 de junho de 2022 às, 20h43.

Última atualização em 15 de junho de 2022 às, 20h47.

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) decidiu, nesta quarta-feira, 15, aumentar a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 0,5 ponto percentual (p.p.), de 12,75% para 13,25% ao ano. Com o resultado, a Selic atinge seu maior patamar desde 2016 – esta é a 11ª alta consecutiva da taxa.

A elevação veio em linha com o esperado pelo mercado, que aguardava uma elevação dessa magnitude. A grande questão se volta para qual deve ser o passo seguinte da autoridade monetária na próxima reunião, nos dias 2 e 3 de agosto. Em comunicado, o Copom sinalizou uma alta de igual ou menor magnitude para a próxima reunião.

O que a decisão significa e o que deve vir daqui para frente? A EXAME Invest ouviu 5 opiniões do mercado sobre a decisão do Copom:

Fim do ciclo se aproxima?

Luca Mercadante, economista da Rio Bravo, reforça que o tom do comunicado foi, em geral, hawkish [favorável a juros mais altos], com exceção de um ponto. Para 2023, o BC alegou que pretende a inflação ao “redor da meta”, alterando a fala anterior que dizia “na meta”. 

“Essa alteração no texto, junto com a aparição da projeção de inflação de 2024 abaixo da meta, pode ser mais um indicativo de que o BC pretende encerrar o ciclo nas próximas reuniões”, afirmou, em nota.

Comunicação poderia ter sido mais dura

A avaliação vai na contramão da interpretação de Álvaro Frasson, economista do BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME). Frasson defendeu que a elevação na taxa foi correta, mas que o BC poderia ter sido ainda mais duro em sua comunicação, que, em sua visão, foi dovish, ou seja, favorável a juros mais baixos.

“A comunicação [via ata] não foi assertiva. O Banco Central poderia ter escolhido um grau maior de liberdade, sem sinalizar uma alta de igual ou menor magnitude já que estamos em um momento de incerteza inflacionária. O BC tem feito um trabalho muito bom em termos de taxa mas não tem espaço para errar na comunicação”, argumentou Frasson em live realizada após a divulgação da decisão.

Como o Copom pode ser impactado pelo Fed

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) elevou, também nesta quarta-feira, sua taxa em 0,75 p.p., na maior alta desde 1994. Para Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da corretora Órama, o movimento – que até poucos dias era completamente descartado pelo mercado – pode impactar o cenário brasileiro.

“O Fed parece endereçar uma solução para a mais alta inflação em 40 anos acelerando o ritmo de aperto, contradizendo suas mais recentes sinalizações. Assim, não nos parece despropositado inferir que essa decisão possa afetar o comportamento dos demais bancos centrais mundo afora, incluindo o nosso”, avaliou. Uma das possibilidades é que o comportamento do Fed pressione o Copom a manter um viés de alta por mais tempo, ou de forma mais intensa, do que o inicialmente previsto.

Veja também
Selic a 13,25% ao ano: quanto rendem R$ 5 mil, R$ 10 mil e R$ 15 mil

Qual o impacto da alta da Selic na renda fixa?

Investimentos pós-fixados em renda fixa costumam ser beneficiados pela alta dos juros, uma vez que sua rentabilidade está atrelada à taxa Selic. No entanto, é preciso tomar cuidado com os ativos prefixados, segundo Vinicius Romano, especialista de renda fixa na Suno.

“Quanto mais os juros subirem, melhor para os pós-fixados da renda fixa. Já os prefixados ligados à inflação, são impactados pela curva de juros – composta por juros futuros de diferentes vencimentos. Caso essa trajetória embutida na curva esteja subavaliada, os juros tendem a subir para refletir o cenário mais próximo da realidade, causando uma marcação negativa nos preços dos papéis de renda fixa prefixados”, explicou Romano.

Vale lembrar, no entanto, que o cenário se inverte caso o ciclo de alta da Selic esteja perto do fim. Quando as taxas começarem a se estabilizar – ou até mesmo a cair –, os prefixados voltam a entrar nos holofotes

Alta da Selic pode impactar a renda variável?

Por outro lado, os ativos de renda variável podem enfrentar maior volatilidade – não pela alta da Selic em si, que já está precificada, mas sim pelo cenário global de incertezas.

“Vemos o início de políticas mais contracionistas nas economias desenvolvidas, impulsionado pela inflação mais persistente. Com o mundo vivenciando uma era de juros altos, a expectativa é de um crescimento global menos acelerado, criando uma tendência de recessão na maior economia do mundo, os Estados Unidos. E a resposta do mercado para antecipar esse movimento é reprecificar ativos de risco”, argumentou Paloma Brum, analista da Toro Investimentos.

Últimas Notícias

Ver mais
Cresce risco de inflação em 2025 superar a de 2024, por causa de serviços caros e incerteza fiscal
Economia

Cresce risco de inflação em 2025 superar a de 2024, por causa de serviços caros e incerteza fiscal

Há 13 horas

Campos Neto reforça que BC intervém no câmbio somente para corrigir mau funcionamento
Economia

Campos Neto reforça que BC intervém no câmbio somente para corrigir mau funcionamento

Há 3 dias

Dirigente do BCE afirma que instituição deve cortar juros na próxima reunião
Economia

Dirigente do BCE afirma que instituição deve cortar juros na próxima reunião

Há 3 dias

Campos Neto sinaliza corte de 0,25 pp em maio e abre porta para alta de juros, dizem investidores
Economia

Campos Neto sinaliza corte de 0,25 pp em maio e abre porta para alta de juros, dizem investidores

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais