Invest

Recuperação judicial: Americanas (AMER3) garante apoio de donos de 57% da dívida

Assembleia Geral de Credores está prevista para esta terça; empresa ainda precisa de apoio de maioria simples dos credores presentes na AGC

Americanas - lojas americanas - loja em shopping do Rio de Janeiro

Foto: Leandro Fonseca
data: 25/01/2023 (Leandro Fonseca/Exame)

Americanas - lojas americanas - loja em shopping do Rio de Janeiro Foto: Leandro Fonseca data: 25/01/2023 (Leandro Fonseca/Exame)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 18 de dezembro de 2023 às 09h29.

Última atualização em 18 de dezembro de 2023 às 09h29.

A Americanas informou nesta segunda-feira, 18, ter alcançado apoio de detentores de 57% de sua dívida ao plano de recuperação judicial. A adesão, mais recentemente, foi subscrita pelos fundos do BTG Pactual Asset, do Itaú Unibanco Asset, pelo Banco Safra e pela Oliveira Trust.

Com as subscrições, a companhia obtém o apoio necessário para aprovar o Plano de Recuperação Judicial na a Assembleia Geral de Credores (AGC). A AGC está marcada para esta terça-feira, 19.

Além da aprovação por maioria do volume de créditos, a Americanas precisa do apoio da maioria simples dos credores presentes na AGC. Para esse critério, cada credor tem direito a um voto no cômputo geral.

Termos da recuperação judicial da Americanas

Os principais termos da proposta de recuperação judicial são:

  • Pagamento nas condições originais para credores das Classes I e IV (trabalhistas e micro e pequenos empreendedores);
  • Pagamento integral para credores com créditos de até R$ 12 mil e a disponibilização de R$ 40 milhões para pagamento daqueles credores com créditos superiores a R$ 12 mil e que aceitarem R$ 12 mil, renunciando ao recebimento do valor excedente e dando quitação à Americanas pelo recebimento do valor integral de seus créditos;
  • Condições diferenciadas de pagamento, incluindo pagamento integral em alguns casos, para os fornecedores da companhia;
  • Aumento de capital da Americanas que viabilize a subscrição e integralização de novas ações pelos acionistas de referência, no montante de R$ 12 bilhões, mediante aporte de recursos em dinheiro e capitalização de créditos relacionados aos financiamentos de caráter extraconcursal na modalidade debtor-in-possession (DIP) existentes na data da realização do aumento de capital; e por parte dos credores, no montante de até R$12 bilhões, mediante a capitalização de créditos detidos contra a companhia, ficando assegurado a todos os demais acionistas da companhia o direito de preferência;
  • No Aumento de Capital, para cada 3 ações emitidas, será conferido 1 bônus de subscrição como vantagem adicional, cujo preço de exercício será de R$ 0,01;
  • Após a conclusão do Aumento de Capital, realização de assembleia geral de acionistas da companhia para deliberar sobre a eleição de nova chapa para compor o seu conselho de administração, cujo mandato será de 2 anos, sendo autorizada a recondução por igual período, conforme previsto no PSA e anexos;
  • Destinação de até R$ 8,7 bilhões para pagamento de credores financeiros, através de leilão reverso (R$ 2 bilhões) ou pagamento antecipado de créditos com desconto (R$ 6,7 bilhões);
  • Após a implementação das medidas de reestruturação previstas no PRJ, previsão de uma companhia reestruturada com até R$ 1,875 bilhão de dívida bruta.
Acompanhe tudo sobre:AmericanasRecuperações judiciais

Mais de Invest

Menos de 1% das casas do país tem cobertura para alagamentos. Veja como acionar

Quer receber a restituição do IR no primeiro lote? Prazo para enviar a declaração termina hoje

Ida de Xi Jinping à Europa evidencia relação dúbia entre a China e o velho continente, diz Gavekal

CPF na nota? Nota Fiscal Paulista abre consulta para sorteio de R$ 1 milhão em maio

Mais na Exame