Petrobras, Embraer e aéreas afundam até 7% com alta dos juros e ameaça de recessão

Petróleo cai 5% no exterior derrubando as ações do setor; juros subiram esta semana nos EUA
Petrobras é principal influência negativa para o Ibovespa nesta sexta (Germano Lüders/Exame)
Petrobras é principal influência negativa para o Ibovespa nesta sexta (Germano Lüders/Exame)
D
Da Redação

Publicado em 23/09/2022 às 16:34.

Última atualização em 23/09/2022 às 17:34.

Em um dia majoritariamente negativo na bolsa, as ações que mais pressionaram o Ibovespa foram as da Petrobras (PETR3/PETR4). Os papéis contam com a segunda maior participação na carteira teórica do índice, atrás apenas da Vale (VALE3).

A queda da petroleira acompanha a derrocada do preço do petróleo, que desaba até 5% conforme aumentam os temores de recessão no mundo à medida que a inflação avança e as taxas de juros sobem nos Estados Unidos. 

Esta semana o Federal Reserve (Fed, banco central americano) elevou a taxa de juros em 0,75 ponto percentual e indicou um ritmo de próximas altas mais forte do que o mercado vinha esperando. 

O Ibovespa conseguiu se blindar do sentimento negativo na véspera, mas hoje foi atingido em cheio pelo clima de aversão a risco no mercado global. A preocupação coloca as ações de Petrobras e da petroleira privada Prio (ex-PetroRio/PRIO3) entre as maiores baixas do dia.

A queda da petroleira acompanhou a derrocada do preço do petróleo, que desabou 5% conforme aumentam os temores de recessão no mundo à medida que a inflação avança e as taxas de juros sobem. A preocupação colocou as ações de Petrobras e da petroleira privada Prio (ex-PetroRio/PRIO3) entre as maiores baixas do dia.

  • Petrobras (PETR3): - 7,06%
  • Petrobras (PETR4): - 6,26%
  • Prio (PRO3): - 4,84%

A possibilidade de recessão também afetou as empresas aéreas e associadas à aviação. Embraer (EMBR3), Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) tiveram forte recuo nesta sexta.

  • Embraer (EMBR3): - 7,46%
  • Azul (AZUL4): - 6,81%
  • Gol (GOLL4): - 6,44%

Veja também