Invest

Lucro da Stone quase dobra no 1º tri, para R$ 450 milhões

Ebitda ajustado da companhia foi de R$ 568 milhões, alta de 75% em relação ao mesmo período do ano passado

Stone alcança R$ 450 milhões em lucro no 1º trimestre  (Leandro Fonseca/Exame)

Stone alcança R$ 450 milhões em lucro no 1º trimestre (Leandro Fonseca/Exame)

Beatriz Quesada
Beatriz Quesada

Repórter de Invest

Publicado em 13 de maio de 2024 às 18h10.

A Stone alcançou um lucro líquido de R$ 450 milhões no primeiro trimestre deste ano – um crescimento de 90% na comparação anual. O resultado quase que dobrou em base anual, mas não surpreendeu: esse ritmo de crescimento tem sido uma constante nos balanços da Stone. 

Frente ao último trimestre, no entanto, o lucro da Stone recuou 20,1%. Para o CFO, Mateus Scherer, a queda é um evento sazonal, impulsionado por datas-chave para o consumo, como Natal e BlackFriday. 

“É algo bem natural da indústria. O quarto trimestre tem uma sazonalidade muito forte alinhada com o varejo”, disse em coletiva com jornalistas nesta segunda-feira, 13.

Scherer destaca os números da Stone em receita e rentabilidade. A receita total da companhia atingiu R$3,1 bilhões, avanço de 14% ano contra ano. Já o Ebitda ajustado, principal indicador de caixa operacional, foi de R$ 1,5 bilhão – aumento de 20,8% em base anual e queda de 6,6% frente ao último trimestre.

TPV segue em foco

O trunfo da receita veio, principalmente, da frente de pagamentos ligada às micro, pequenas e médias empresas (MPME). A receita de serviços financeiros alcançou R$2,7 bilhões no primeiro trimestre, 16% maior em relação ao ano anterior, na esteira do volume de pagamentos processados (TPV) dos clientes MPME, que cresceu 24% em base anual. O TPV considera o volume processado tanto em cartões quanto via PIX.

O segmento MPME é o grande foco da Stone para os próximos anos. A base de clientes dessa frente cresceu 33% na comparação anual, chegando a 3,7 milhões de clientes ativos.

Banking e software

A plataforma bancária da Stone alcançou R$ 6 bilhões em depósitos, aumento de 53% em comparação ao mesmo período de 2023. Na solução de crédito, o capital de giro cresceu 72% em base trimestral, atingindo uma carteira de R$532 milhões.

Gregor Ilg, diretor de crédito da Stone, destacou que a empresa tem grande oportunidade de crescer na frente de crédito. “A gente só arranha a superfície da quantidade de cliente que temos disponível para conceder crédito. O tamanho do portfólio ainda é pequeno para o tamanho da companhia”, disse.

A área de software, por sua vez, apresentou 3% de crescimento na receita, com Ebitda ajustado de R$66 milhões no trimestre, crescimento de 65%.

Acompanhe tudo sobre:StoneBalanços

Mais de Invest

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 86 milhões na poupança

Como investir na Nasdaq?

"Se Lula indicar nome pior que Galípolo para o BC, o mercado entrará em pânico", diz Marilia Fontes

Mesmo chamada de ‘perda fixa’ a renda fixa pode pagar até IPCA + 7,5%; veja 2 títulos

Mais na Exame