Acompanhe:

Além da maquininha: o plano da Stone para dobrar o lucro em quatro anos

Integração com a Linx entra de vez na estratégia da empresa, que pretende engajar a base com negócio de software

Modo escuro

Continua após a publicidade
Anúncio da Stone na Times Square, em NY: companhia pretende focar na combinação de adquirência, banking e software (Stone/Divulgação)

Anúncio da Stone na Times Square, em NY: companhia pretende focar na combinação de adquirência, banking e software (Stone/Divulgação)

A Stone surpreendeu o mercado com um resultado acima do esperado no terceiro trimestre – e, segundo a administração da empresa, os investidores podem continuar com boas expectativas. 

A meta é alcançar um resultado anual de R$ 1,9 bilhão no acumulado de 2024, entregando uma cifra de até R$ 4,3 bilhões em 2027 – mais do que dobrando a última linha do balanço. A ambição foi anunciada no Investor Day da companhia, realizado nesta quarta-feira, 15, em Nova York.

“Construímos um modelo de negócios rentável e gerador de caixa. Agora, temos muitas oportunidades de usar a eficiência para aprimorar a rentabilidade, já que, historicamente, priorizamos a velocidade de crescimento”, explicou o CEO Pedro Zinner.

O principal destaque é o segmento de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) – que já era prioritário, mas agora ganha um reforço de foco. A Stone pretende crescer acima da média de mercado, alcançando um volume de pagamentos processados (TPV) acima de R$ 600 bilhões em 2027, com uma taxa cobrada por transação (take rate) de 2,7%.

Em entrevista à EXAME Invest, Zinner reforçou que a intenção não é mudar a estratégia, mas deixar a execução transparente e focada nas oportunidades mais rentáveis. O core business segue na adquirência, mas a Stone quer ir além das maquininhas de cartão, integrando os negócios de serviços financeiros e software

A combinação entre os negócios será a força motriz da estratégia de crescimento. O objetivo é avançar dentro da própria base, levando os produtos financeiros para os clientes do negócio de software. Serão quatro frentes prioritárias: varejo, alimentação, farmácias e postos de gasolina, consolidando a Stone como uma solução "one-stop-shop" para seus clientes MPMEs.

“Estamos dando visibilidade para o mercado de quais são as verticais em que conseguimos ver a maior possibilidade de extração de valor fazendo a combinação entre serviços financeiros e software”, reforçou Zinner.

O anúncio amarra a estratégia da Stone de integração com o negócio de software da Linx. Em outubro, a Stone anunciou uma reestruturação para integrar a Linx ao negócio principal da empresa. O movimento era uma demanda antiga do mercado, que vinha pedindo sinais mais claros de combinação de negócios desde a aquisição da Linx em 2020.

A empresa deu destaque ainda à vertente de serviços financeiros, vista como principal alavanca de monetização. “Estamos em uma jornada de expansão da plataforma de serviços financeiros que nasceu em pagamentos e vem evoluindo para soluções de banking e crédito. E aí que está a maior capacidade de monetização da base de clientes – o software entra como um diferenciador”, afirmou Lia Matos, que está à frente da estratégia da Stone.

A vertical de banking ganhou um reforço no início do ano, quando a Stone viu espaço para voltar a conceder crédito. Em 2021, a empresa levou um tombo com a disparada da inadimplência, mas, dois anos depois, já vê espaço para retomar a vertente com cautela.

“Retomamos o produto neste ano, e temos atualmente R$ 113 milhões em carteira de crédito. A meta é alcançar R$ 800 milhões no próximo ano e ir acima de R$ 5,5 bilhões em carteira ao final de 2027”, completou o CFO da Stone, Mateus Scherer.

Para além do crédito, a expectativa é também crescer em outros serviços financeiros. A Stone tem atualmente R$ 4,5 bilhões em depósitos e quer evoluir para R$ 7 bilhões no próximo ano, alcançando R$ 14 bilhões em 2027.

Veja também

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Projetos cripto receberam mais de US$ 90 bilhões desde 2017
seloMercados

Projetos cripto receberam mais de US$ 90 bilhões desde 2017

Há 3 horas

Como a Coreia do Sul está tentando 'copiar' o recorde das ações japonesas
seloMercados

Como a Coreia do Sul está tentando 'copiar' o recorde das ações japonesas

Há 4 horas

Em momento de baixa nas ofertas públicas de ações nos EUA, 'IPO privado' aparece como opção
seloMercados

Em momento de baixa nas ofertas públicas de ações nos EUA, 'IPO privado' aparece como opção

Há 18 horas

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais