Invest

J.P. Morgan compra ações da Gafisa (GFSA3) após troca de CEO e possível follow-on

Banco americano adquire 5,72% de participação em incorporadora e entra no hall de principais acionistas

J.P Morgan (Mike Segar/File Photo/Reuters)

J.P Morgan (Mike Segar/File Photo/Reuters)

GG

Guilherme Guilherme

Publicado em 27 de setembro de 2022 às 09h32.

Última atualização em 27 de setembro de 2022 às 09h38.

Fundos geridos pelo J.P Morgan adquiriram participação de 5,72% na Gafisa (GFSA3), informou a empresa em comunicado desta terça-feira, 27. O investimento, que engloba 2,17 milhões de ações é estimado em cerca de R$ 20 milhões, considerando a cotação de R$ 9,11 do último fechamento.

Ainda de acordo com o comunicado, o J.P. Morgan não possui instrumentos derivativos relacionados às ações da Gafisa ou ativos conversíveis em ações ou que garantam direito na subscrição ou emissão de ações da companhia.

O anúncio da compra de participação relevante pelo J.P. Morgan ocorre um dia após a Gafisa informar o mercado que estuda fazer uma nova oferta pública de ações e menos de um mês após a troca de comando da empresa.

As mudanças ocorreram após a incorporação da Bait pela Gafisa. Carlos Henrique Blecher, que era CEO da Bait, passou a ser CEO da Gafisa, trazendo consigo seus aliados. Gustavo Nunes, um deles, assumiu o cargo de CFO.

Com a compra das ações, o J.P. Morgan passa a ser um dos três principais acionistas da empresa junto com a MAM Asset e Planner, com respectivas participações de 15% e 4,8%.

As ações da Gafisa acumulam cerca de 50% de queda desde o início do ano. As perdas em relação ao período pré-2014 são superiores a 90%.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresGafisaJPMorgan

Mais de Invest

Nota Fiscal Paulista abre consulta para sorteio de R$ 1 milhão

Pix bate novo recorde de transações em um mesmo dia, com movimentação de R$ 90,9 bilhões

Ibovespa opera em alta mesmo com aversão ao risco exterior e piora das perspectivas pelo BC

Correndo na frente, ou como se proteger do cibercrime

Mais na Exame