Acompanhe:

Inflação nos EUA, volta de feriado, resposta à oferta pela Braskem e o que mais move o mercado

Investidores esperam por desaceleração de índice de preços dos Estados Unidos; dado desta manhã é o mais aguardado da semana

Inflação: mercado projeta CPI de setembro em 0,2% (o: Khanchit Khirisutchalual/Getty Images)

Inflação: mercado projeta CPI de setembro em 0,2% (o: Khanchit Khirisutchalual/Getty Images)

G
Guilherme Guilherme

13 de outubro de 2022, 07h45

O mercado internacional inicia esta quinta-feira, 13, à espera do Índice de Preço ao Consumidor americano (CPI, na sigla em inglês) que será divulgado nesta manhã. O dado é o mais aguardado da semana e tem potencial de alterar as expectativas para a política monetária do Federal Reserve. Quanto mais alto, maiores tendem a ser as apostas de alta de juros nos Estados Unidos.

O CPI, referente ao mês de setembro, será divulgado às 9h30 sob expectativa de alta mensal de 0,2% pelo consenso da Bloomberg. A projeção é de que o CPI anual ceda de 8,3% para 8,1%. A perspectiva para o núcleo do CPI, no entanto, é de aceleração de 6,3% para 6,5%, com os efeitos inflacionários se espalhando pela economia americana.

Os principais índices de Wall Street, que vêm de seis pregões consecutivos de queda, apresentam leve alta no mercado de futuros desta manhã. O movimento, acompanhado pelas bolsas da Europa, pode ganhar ainda mais força, caso a inflação surpreenda para baixo. Mas o histórico recente joga contra. Dos últimos cinco CPIs divulgados, apenas um saiu abaixo das projeções, sendo que os outros quatro superaram as estimativas do mercado.

Uma inflação mais forte que a esperada para setembro tende a pressionar ainda mais as bolsas para baixo, com investidores precificando um aperto mais duro do Fed, elevando os temores de uma recessão no país.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h20 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,41%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,40%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,19%
  • DAX (Frankfurt): + 0,64%
  • CAC 40 (Paris): + 0,16%
  • FTSE 100 (Londres): - 0,04%
  • Stoxx 600 (Europa): + 0,07%
  • Hang Seng (Hong Kong): - 1,87%

Volta de feriado

No Brasil, o mercado volta a operar normalmente nesta quinta após a pausa para o feriado de Nossa Senhora Aparecida. O EWZ, ETF que representa a bolsa brasileira nos Estados Unidos, fechou em queda de 1% na véspera. O movimento, que indica que a B3 provavelmente teria tido um dia negativo se estivesse aberta, poderá ser incorporado nos preços nesta quinta.

Braskem

A Novonor e Petrobras se posicionaram sobre uma possível oferta pelo controle da Braskem (BRKM5) veiculada na mídia. As ações da companhia saltaram 20% no último pregão após notícias dos jornais O Globo e Valor sobre a proposta da gestora americana Apollo pela empresa. Segundo a Exame In, o preço por ação seria de R$ 47 por ação corrigido por algum índice de mercado a ser definido. Apesar dos valores informados serem muito superiores à cotação do último fechamento, de R$ 33,58, a Novonor e a Petrobras negaram qualquer avanço.

"Até o presente momento não houve evolução material em qualquer alternativa relacionada ao processo de alienação de sua participação acionária na Braskem", afirmou a Novonor em comunicado ao mercado. Já a Petrobras disse que "não tem nenhuma informação que ainda não tenha sido divulgada ao mercado”.

Debêntures da SmartFit

A SmartFit (SMFT3) anunciou que irá emitir R$ 400 milhões em debêntures vinculadas a certificados de recebíveis imobiliários (CRI). O dinheiro será destinado ao financiamento de aquisições já divulgadas e investimentos imobiliários.

Debnêntures da Guararapes

A Guararapes (GUAR3) também informou que irá emitir R$ 400 milhões em debêntures simples. Os recursos serão utilizados para o capital de giro, segundo a dona da Riachuelo.