Acompanhe:

Ideal é privatização da Copel sair até dezembro de 2023, diz CEO

O executivo afirmou que nenhum banco foi oficialmente procurado para estruturar o processo

Copel: prazo ideal para a conclusão da privatização da Copel seria dezembro de 2023 (Copel/Divulgação)

Copel: prazo ideal para a conclusão da privatização da Copel seria dezembro de 2023 (Copel/Divulgação)

B
Bloomberg

21 de novembro de 2022, 17h38

O prazo ideal para a conclusão da privatização da Copel seria dezembro de 2023, disse o presidente da empresa, Daniel Slaviero, em entrevista.

O executivo afirmou que nenhum banco foi oficialmente procurado para estruturar o processo, o que só deve ocorrer após a análise pela assembleia legislativa do Paraná do projeto de lei enviado hoje. Ele não informou qual é a expectativa do valor da venda da empresa.

Segundo Slaviero, a Copel precisa renovar a outorga da concessão da usina hidrelétrica de Foz do Areia até o final do próximo ano, e o ideal é que a privatização da companhia ocorra antes disso.

O presidente da Copel também disse que o modelo adotado segue o utilizado para a privatização da Eletrobras e é “robusto”. Por isso, está “muito seguro” de que o processo pode ser aprovado e “será benéfico para companhia e sociedade”.

As ações da Copel disparam mais de 20% nesta segunda-feira, para cotação recorde, com o anúncio de que o estado do Paraná pretende realizar uma oferta de venda de ações para transformar a distribuidora de energia em uma companhia sem acionista controlador.

Segundo o comunicado da empresa, que cita carta enviada pelo governador Ratinho Júnior, o estado ficará com uma fatia de, no mínimo, 15% do capital, mas o percentual ideal ainda está sob análise, disse o presidente da estatal.