Invest

Ibovespa sobe após fala de Powell, em dia de decisão de Fed e Copom

Federal Reserve eleva juros em 0,75 p.p.; aperto mais duro já era esperado pelo mercado

Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)

Painel de cotações da B3 (Germano Lüders/Exame)

GG

Guilherme Guilherme

Publicado em 15 de junho de 2022 às 10h24.

Última atualização em 15 de junho de 2022 às 15h55.

Ibovespa hoje: o principal índice da bolsa brasileira opera em forte alta nesta quarta-feira, 15, em um movimento de correção que acompanha a recuperação das bolsas nos Estados Unidos em pregão de “Super Quarta” – dia de decisão monetária lá e no Brasil. 

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) elevou a taxa de juro americana em 0,75 ponto percentual, acelerando o ritmo de aperto monetário para conter a inflação. A alta representa a maior elevação na taxa desde 1994. Com a decisão, o Fed elevou os juros americanos para o intervalo entre 1,5% e 1,75%, o mais alto desde o início da pandemia de Covid em março de 2020.

A decisão é ruim para as bolsas, que perdem atratividade para a renda fixa. Ainda assim, o clima é positivo nos mercados. Isso porque, apesar de mais dura, a aceleração do ritmo de alta já vinha sendo precificada desde a última sexta-feira, quando o principal índice de inflação dos EUA, o Índice de Preço ao Consumidor americano (CPI, na sigla em inglês), saiu acima do esperado. O dado derrubou as bolsas americanas nos últimos pregões e, nesta quarta, os índices passam por uma correção positiva, que também influencia o Ibovespa.

O grande reforço positivo, no entanto, veio do presidente do Fed, Jerome Powell. Em discurso após a decisão, Powell afirmou que um movimento duro como o de hoje não será comum. O presidente do Fed afirmou que o mais provável para a próxima reunião seria uma alta de 0,50 p.p. ou de 0,75 p.p. – tirando da mesa a apreensão de que os juros começassem a subir de forma ainda mais acelerada daqui para frente.

  • Ibovespa: + 1,70%, 103.794 pontos
  • S&P 500 (EUA):  + 1,45%
  • Nasdaq (EUA): + 1,51%

Após a fala de Powell, o câmbio virou e o dólar engatou em forte queda.  Vale lembrar que a moeda americana vem de sete pregões seguidos de alta frente ao real, com valorização acumulada de 7,5% no período.

  • Dólar: - 1,67%, R$ 5,048

Ainda assim, existe o temor de que o posicionamento contracionista do Fed pressione outros bancos centrais a seguir o exemplo. No caso do Brasil, o consenso ainda é de alta de 0,50 p.p. para a decisão de hoje, o que levaria a Selic para 13,25%. Mas crescem as expectativas de que o ciclo de alta de juros não termine por aí, com mais uma elevação de 0,50 p.p. na reunião de agosto puxada pela inflação local e pelo posicionamento do Fed. A decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central brasileiro (Copom) será divulgada após o fechamento do mercado.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Nas bolsas, ações que recuaram nos últimos pregões acompanham o cenário de correção e ficam entre as maiores valorizações do dia, com CVC, Qualicorp e Gol na ponta positiva.

  • CVC (CVCB3): + 8,36%
  • Qualicorp (QUAL3): + 6,51%
  • Gol (GOLL4): + 5,86%

Mas o maior destaque são as ações da Natura, que chegaram a disparar mais de 10% na máxima do dia, com investidores reagindo à troca de comando do grupo, que será assumido por Fábio Barbosa, atual presidente do Comitê de Pessoas da Natura. Roberto Marques, atual CEO e presidente do Conselho, deixará as funções para se aposentar no fim deste ano. Marques permanecerá no Conselho para auxiliar na transição.

  • Natura (NTCO3): + 8,29%

Veja também: 
Natura &Co: CFO assume diálogo com mercado após tombo de 70% na B3
Natura: revisão do guidance foi a surpresa negativa, diz Goldman Sachs

Acompanhe tudo sobre:Ibovespa

Mais de Invest

Ibovespa perde os 120 mil pontos: ‘hora de acumular ações’, diz CEO da Empiricus

Ibovespa opera volátil após crítica de Lula a Campos Neto e de olho no cenário externo

Apple vai encerrar serviço de parcelamento de compra meses depois de lançamento

Abono salarial PIS/Pasep 2024: veja calendário de pagamento

Mais na Exame