Acompanhe:

Ibovespa: Positivo (POSI3) sai do principal índice da B3 em 1º prévia para 2023

Vale perde participação para a Petrobras em primeira prévia, mas deve seguir com o maior peso do índice

 (NurPhoto/Getty Images)

(NurPhoto/Getty Images)

D
Da Redação

Publicado em 1 de dezembro de 2022, 12h26.

Última atualização em 1 de dezembro de 2022, 12h27.

A B3 divulgou nesta qunta-feira, 1, a primeira prévia da carteira do Ibovespa que irá valer para o primeiro quadrimestre de 2023. A principal mudança foi a saída das ações da Positivo (POSI3). Sua exclusão já era esperada pelo mercado, dado os critérios de eligibilidade do índice. Sem novas entradas, o principal índice da bolsa brasileira deverá começar o ano com uma empresa a menos.

De acordo com a primeira prévia divulgada pela B3, o Ibovespa irá iniciar 2023 com 91 ações e 88 empresas, tendo em vista que Petrobras, Bradesco e Eletrobras possuem duas categorias de ações no índice.

Além da saída da Positivo, também foram alterados os pesos de cada ação no índice.

Vale perde participação para a Petrobras

A Vale seguirá com a maior participação do índice, mas deverá ter uma fatia menor em 2023: com redução de 18,672% para 15,384%. Com o segundo maior peso, a Petrobras deverá elevar sua participação de 9,74% para 11,214%, considerando as ações preferenciais e ordinárias da companhia.

Já a força do setor financeiro, o segundo mais representativo, será um pouco maior, com Itaú (ITUB4), Bradesco, B3 e BTG Pactual, elevando suas posições no índice, ainda que apenas marginalmente.

No extremo oposto do Ibovespa, a Méliuz (CASH3) passará a ocupar a menor posição do índice, com 0,036% de participação. CVC (CVCB3) e EzTec (EZTC3) aparecem na sequência na prévia, com respectivos pesos de 0,068% e 0,069%.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Quais critérios uma ação deve atender para entrar no Ibovespa?

São quatro os critérios que uma ação ou unit deve atender para entrar no principal índice de ações da B3. São eles:

  1. Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das três carteiras anteriores, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), representem em conjunto 85% (oitenta e cinco por cento) do somatório total desses indicadores;
  2. Ter presença em pregão de 95% (noventa e cinco por cento) no período de vigência das três carteiras anteriores
  3. Ter participação em termos de volume financeiro maior ou igual a 0,1% no mercado a vista (lote-padrão), no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores. 
  4. Não ser classificado como penny stock – ações ou units cotadas na casa dos centavos.