Invest

Ações da Arezzo (ARZZ3) e do Soma (SOMA3) disparam com possível fusão

As informações da negociação foram confirmadas por ambas companhias por meio de fato relevante

Alexandre Birman: crescimento planejado (Germano Lüders/Exame)

Alexandre Birman: crescimento planejado (Germano Lüders/Exame)

Publicado em 31 de janeiro de 2024 às 15h11.

Última atualização em 31 de janeiro de 2024 às 16h36.

Os investidores reagem a uma possível fusão entre a Arezzo e o Grupo Soma. As informações da negociação foram adiantadas pelo Neofeed, e depois confirmada por ambas companhias, via fato relevante nesta quarta-feira 31. Com a notícia, os papéis das empresas lideram as altas do Ibovespa, com SOMA3 subindo 16,52%, e ARZZ3, 12,93%.

Leia também: União entre Arezzo e Soma teria desafio de governança

Em comunicado, a Arezzo confirmou que está em entendimentos com o Grupo Soma a fim de avaliarem uma possível associação. Caso seja concretizado, a operação poderá envolver a unificação das bases acionárias em uma única companhia com governança compartilhada. "O Sr. Alexandre Café Birman será o CEO da companhia combinada e o Sr. Roberto Luiz Jatahy Gonçalves o CEO da business unit de vestuário feminino", diz o fato relevante.

O Grupo Soma também confirmou o movimento, após os rumores vierem. Em comunicado, a empresa confirma que há conversas em andamento com a Arezzo&Co e seus acionistas de referência a respeito de possível associação mediante a junção de suas operações e bases acionárias.

Conversa antiga - e complexa

Embora o mercado tenha reagido com surpresa hoje, uma empresa combinada entre as duas empresas de moda é um tema já antigo. Em 2021, como apurou o EXAME Insight, Alexandre Birman, filho do fundador do grupo de origem calçadista Anderson Birman, demonstrou entre pessoas do mercado o desejo de comprar o Grupo Soma depois de perder a disputa pela Hering.

Mas essa não era uma conversa não simples, dado o perfil do Grupo Soma e de Roberto Jatahy, presidente e sócio-fundador da Animale e principal nome articulador da plataforma de marcas que se tornou o grupo, que também é dono da Farm.

Leia também: Quem é Alexandre Birman, o CEO que costurou o maior negócio da moda brasileira

A percepção naquele momento é de que uma transação só faria sentido – qualquer que seja, não é o caso apenas de Arezzo – se houvesse um arranjo societário muito claro sobre a governança e os limites dos poderes, além de um bom preço.

Depois de fortes altas, o papel da Arezzo &Co passou por recentes revisões de tese de bancos de investimento, com muitos reduzindo o preço-alvo. A recomendação de compra ainda é maioria, no entanto. A percepção também é bastante positiva para as ações do Soma. Os dois grupos se favorecem da exposição a um público de renda mais alta e menos suscetível à fraqueza do varejo.

Em 12 meses, as ações da Arezzo caem mais de 29% e a empresa tem valor de mercado de R$ 6,83 bilhões. Os papéis da Soma recuam 24% e seu valor de mercado é de R$ 6,14 bilhões.

*matéria atualizada após divulgação de fato relevantes publicados pelas companhias 

Confira as últimas notícias de Invest:

Acompanhe tudo sobre:AçõesArezzoARZZ3Grupo Soma

Mais de Invest

Resultado da Mega-Sena concurso 2716; prêmio é de R$ 2,5 milhões

Lucro da Tesla recua 48% no 1º tri, mas expectativa por carros mais acessíveis anima investidor

Na ‘guerra fria’ entre China e EUA, quem sai ganhando é o Brasil?

Receba dividendos em dólar: veja como aproveitar a alta do dólar com ações americanas

Mais na Exame