Este analista previu a alta do índice Nikkei. Agora, ele tem nova aposta

Em julho do ano passado, Koll disse à CNBC que esperava que o Nikkei atingisse 40.000 "nos próximos 12 meses"

Publicado em 5 de março de 2024 às 07h49.

Última atualização em 5 de março de 2024 às 07h49.

O índice de ações do Japão, o Nikkei 225, ultrapassou o nível de 40.000 pontos na última segunda-feira, alcançando outro recorde histórico — mas isso não surpreendeu o especialista em Japão, Jesper Koll, que espera outro aumento de 37% para o índice de ações de referência, segundo a emissora norte-americana CNBC. 

Em julho do ano passado, Koll disse à CNBC que esperava que o Nikkei atingisse 40.000 "nos próximos 12 meses". Koll diz agora que o Nikkei pode subir para 55.000 pontos até o final de 2025, e considera a possibilidade "perfeitamente razoável".

Leia também: Índice Nikkei fecha pela primeira vez acima de 40.000 pontos

Ainda assim, existem riscos que podem atrapalhar esse otimismo. Eles incluem aumentos de impostos no Japão e uma potencial guerra comercial global, ambos os quais poderiam prejudicar as ações japonesas, observou Koll.

Quando perguntado sobre o que impulsiona seu otimismo, Koll disse à CNBC na segunda-feira que isso se deve em parte à capacidade do Japão de ser uma "superpotência na criação de valor de capital".

Ele disse que seu otimismo não decorre das ações monetárias do Banco do Japão, nem de um impulso da chamada iniciativa do "novo capitalismo" anunciada pelo primeiro-ministro Fumio Kishida em junho.

"A força do Japão vem de baixo para cima a partir do setor privado", disse Koll. "As empresas japonesas têm um poder de ganhos superior. Duas décadas de reestruturação "kaizen" implacável transformaram o Japão corporativo em uma superpotência na criação de valor de capital."

"Kaizen" refere-se à arte da melhoria constante por meio de pequenas mudanças. Adotado pela primeira vez pelas empresas japonesas após a Segunda Guerra Mundial, é um termo japonês que busca "melhoria contínua".

"Não há dúvida de que os 'CEOs assalariados' japoneses criaram mais valor econômico fundamental do que os 'CEOs superestrelas' de Wall Street."

O otimismo de Koll não termina aqui. Ele disse que é "perfeitamente razoável" esperar que o Nikkei suba para 55.000 antes do final de 2025. Ainda assim, pode haver riscos globais e domésticos que poderiam atrapalhar esse otimismo.

Em casa, Koll disse que Kishida está visando aumentar os gastos do governo, incluindo o aumento dos pagamentos por cuidados infantis e o aumento dos gastos em pesquisa universitária de tecnologia avançada e defesa — mas o primeiro-ministro ainda não apresentou planos sobre como pagar por essas iniciativas.

Assim, Koll espera que aumentos de impostos estejam no horizonte, talvez em 2025 ou 2026. Historicamente, ele disse, incrementos de impostos sempre foram um grande desafio para as ações japonesas.

O risco no cenário global é o que o especialista em Japão chama de uma "guerra cambial feita na China". Se as autoridades chinesas forem forçadas a desvalorizar o yuan chinês em cerca de 20% a 30%, isso representaria um enorme desafio para a competitividade japonesa, acrescentou.

Explicando sua visão, Koll disse que a China pode buscar enfraquecer sua moeda para aumentar a competitividade se o país entrar em deflação total.

Outra possível adversidade poderia ser tarifas dos Estados Unidos ou da Europa impostas sobre as importações chinesas.

"Em uma guerra comercial global, o Japão sai prejudicado", destacou Koll.

Acompanhe tudo sobre:Japão

Mais de Invest

Receita Federal libera consulta ao lote residual do IR; veja se você recebe

Stelleo Tolda: conheça mais sobre o CEO do Mercado Livre

Dólar volta a subir com tensões fiscais e expectativas nos mercados internacionais

Ibovespa opera em alta de olho em Campos Neto, “pauta-bomba” e desdobramentos de Petrobras (PETR4)

Mais na Exame