Acompanhe:

Eneva: Dynamo, Atmos e Velt se unem a Cambuhy em novo acordo de acionistas

Grupo monta bloco de 35,7% de capital social e ganha poder maior de decisão dentro da empresa de energia

Eneva: Cambuhy, Dynamo, Atmos e Velt se unem (Eneva/Divulgação)

Eneva: Cambuhy, Dynamo, Atmos e Velt se unem (Eneva/Divulgação)

R
Raquel Brandão

7 de dezembro de 2022, 09h23

Dona de 19,5% da composição acionária da Eneva (ENEV3), a Cambuhy, gestora de recursos da família Moreira Salles, se uniu aos fundos Dynamo, Atmos e Velt em um novo acordo de acionistas, que monta um bloco de 35,7% de capital social da companhia elétrica.

Atualmente, a Dynamo tem 9,8% do capital, a Atmos, 4,6%, e a Velt Partners,1,6%. O acordo deixa os quatro acionistas com maior poder de decisão em casos de investimentos ou venda de ativos. Hoje, o maior acionista individual da Eneva é o BTG Pactual (grupo de controle da Exame), com 24% do capital social. 

Pelo acordo, as gestoras precisam informar quando uma delas receber alguma propostapara venda de suas ações, para que passe por avaliação do bloco. No entanto, com maior fatia do grupo, a Cambuhy é a única com direito de drag along, o que pode fazê-la ter poder de "arrastar" consigo as demais gestoras em caso de proposta que não agrade a todas do bloco.

Depois da aquisição da AES Tietê não ter vingado, a Eneva seguiu em ritmo de expansão orgânica e comprou, em outubro, a Celse por R$ 6,7 bilhões, sua maior operação de fusão e aquisição. O grupo também passa, agora, um momento de mudanças. No último mês, Pedro Zinner decidiu deixar o comando da empresa para assumir a companhia de meios de pagamento Stone. Lino Cançado foi escolhido como novo diretor-presidente.