Disparada do Nubank, acordo nuclear com Irã e o que mais move o mercado

Ações do Nubank saltam mais de 10% no pré-mercado dos Estados Unidos, após resultado e troca de presidente
Logo do Nubank em dia de estria das ações na NYSE (Nubank/Divulgação)
Logo do Nubank em dia de estria das ações na NYSE (Nubank/Divulgação)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 16/08/2022 às 07:36.

Última atualização em 16/08/2022 às 07:54.

O mercado internacional iniciou esta terça-feira, 16, com o dólar em alta e bolsas ainda sem uma direção definida. Índices futuros americanos operam em leve queda, enquanto a Europa segue em sentido oposto, tendo no radar dados melhores que o esperado para a percepção de econômica da Zona do Euro.

Mas o fantasma da inflação segue vivo, com a divulgação de números acima do esperado para a média de salários semanais do Reino Unido, que saltou 4,7% em junho frente ao mesmo período de 2021.

Petróleo em queda e acordo no radar

Apesar dos sinais de maior inflação, a direção do preço do petróleo tem ajudado a esfriar as expectativas para os números dos próximos meses. O petróleo WTI, negociado nos Estados Unidos, caiu para abaixo de US$ 90 nesta semana, pressionado por dados mais fracos de atividade econômica.

O petróleo brent, referência para a política de preços da Petrobras, opera próximo de US$ 94, o menor nível desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia e 32% abaixo da máxima deste ano.

Outro fator que tem contribuído com a queda do petróleo é a possibilidade de maior oferta, com o acordo nuclear que pode colocar o Irã de volta entre os maiores exportadores de petróleo.

A mídia estatal do Irã Irna informou que governo local respondeu à proposta enviada pela União Europeia e que um "acordo final" está "mais próximo do que nunca" de ser selado. Ainda de acordo com o veículo, houve divergência sobre três pontos -- dois dos quais os haviam sido "aceitos oralmente" pelos Estados Unidos.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h40 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): - 0,22%
  • S&P 500 futuro (Nova York): - 0,26%
  • Nasdaq futuro (Nova York): - 0,28%
  • FTSE 100 (Londres): + 0,54%
  • DAX (Frankfurt): + 0,56%
  • CAC 40 (Paris): + 0,31%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: - 1,05%
  • Shangai Composite (Xangai)*: + 0,05%

Dados do dia

Além dos avanços para o novo acordo nuclear entre Irã e potenciais ocidentais, seguem no radar dos investidores os dados da atividade econômica americana. Para esta terça estão previstos dados da indústria e construção. A expectativa para a produção industrial de julho é de alta mensal de 0,3% ante queda de 0,2% no mês passado. Para as licenças de construção são esperadas 1,650 milhão.

Reação a balanços: Nubank dispara 10%

No Brasil, onde não há grandes dados econômicos previstos para hoje, as atenções devem estar com os últimos balanços.

Entre os mais aguardados da noite passada esteve o do Nubank. Nesta manhã, as ações da fintech saltam pouco mais de de 10% no pré-mercado americano. O Nubank (NUBR33) registrou lucro líquido ajustado de US$ 17 milhões no segundo trimestre, 3% acima do mesmo período do ano passado. Já o lucro bruto da fintech saltou 118% para US$ 363,5 milhões. O Nubank encerrou o trimestre com 65,3 milhões de clientes, 23,5 milhões a mais na comparação anual.

A fintech aproveitou a divulgação do resultado para anunciar o novo presidente, que será Yousseff Lahrech, atual diretor de operações. David Velez permanecerá como CEO, acima de Lahrech.

Investidores ainda devem reagir nesta terça aos balanços de Itaúsa (ITSA4), Inter (INBR31), Méliuz (CASH3), Rede D'Or (RDOR3) e GetNinjas (NINJ3).