• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 62,17 +0,00%
  • Ouro 1.756,80 +0,00%
  • Prata 25,54 +0,00%
  • Platina 1.207,10 +0,00%

China e queda do petróleo impulsionam dólar, que sobe 1,19%

Desde o início do dia, a tendência de alta para o dólar ao redor do mundo era clara - pelo menos em relação às moedas de países exportadores de commodities

São Paulo - A fraqueza do setor industrial chinês e a queda do petróleo em Londres e Nova York espalharam nesta sexta-feira, 21, o pessimismo ao redor do mundo. Investidores venderam moedas de países emergentes e exportadores de commodities, como o real, e foram em busca da segurança do dólar.

Isso fez a moeda americana fechar em alta no Brasil, de 1,19% no balcão, aos R$ 3,4930, e encerrar a semana com leve alta de 0,23%. No mês, acumula ganho de 2,22% ante o real e, no ano, elevação de 31,56%.

Na mínima da sessão de hoje, vista às 9h06, o dólar marcou R$ 3,4620 (+0,29%) e, na máxima, às 12h52, atingiu R$ 3,5020 (+1,45%). A moeda para setembro, que fecha apenas às 18 horas, subia há pouco 1,08%, aos R$ 3,5060.

Desde o início do dia, a tendência de alta para o dólar ao redor do mundo era clara - pelo menos em relação às moedas de países exportadores de commodities.

Isso porque o índice de atividade dos gerentes de compras da indústria chinesa (PMI) preliminar recuou para 47,1 em agosto, de 47,8 em julho. A medição, feita pela Caixin Media (antes HSBC), significa retração da atividade na indústria.

O número por si só já sugeria pressão sobre as moedas de países exportadores de commodities, como o real e o peso chileno na América Latina, por exemplo.

Mas a desaceleração da economia chinesa também alimentou o recuo do petróleo no mercado internacional, atingindo outras divisas, como o rublo russo.

Assim, a busca pela segurança no dólar fez a moeda cair também no Brasil, sendo que o noticiário interno garantia um suporte a mais.

O diretor-geral da agência de classificação de risco Fitch, Rafael Guedes, afirmou hoje no Brasil que as recentes revisões das metais fiscais colocam ainda mais pressão no rating brasileiro.

Além disso, profissionais do mercado demonstravam certa cautela com notícias de que o vice-presidente Michel Temer pode sair do comando da articulação política do governo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.