Acompanhe:

BTG Pactual (BPAC11) e Mirae fecham acordo para distribuição do Mirae Asset Asia Growth Equity Fund

Fundo aloca ativos em tendências seculares como energia verde, internet, healthcare, e será distribuído exclusivamente pela área de Third Party Distribution do BTG Pactual

BTG Pactual (BPAC11) — sede do banco em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

BTG Pactual (BPAC11) — sede do banco em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

C
Carlo Cauti

Publicado em 1 de novembro de 2022, 18h54.

Última atualização em 1 de novembro de 2022, 19h42.

O BTG Pactual (BPAC11), maior banco de investimentos da América Latina, e a Mirae Asset Global Investments firmaram parceria exclusiva para a distribuição do Mirae Asset Asia Growth Equity Fund. O fundo será distribuído exclusivamente pela área de Third Party Distribution do BTG Pactual, responsável pela distribuição de fundos terceiros e demais produtos de gestoras locais e internacionais, com exceção dos fundos geridos pela BTG Pactual Asset Management.

O Mirae Asset Asia Growth Equity Fund é voltado para investidores qualificados, ou que possuam certificação ligada à consultoria e gestão de investimentos aceita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O valor mínimo de aplicação é R$ 5 mil. O portfólio é alocado em ações de companhias asiáticas que atuam em segmentos de tendências de crescimento seculares como energia verde, internet, healthcare, automação e robótica, entre outras oportunidades.

“No Brasil somos os únicos a trabalhar com esse fundo. Essa é a nossa 15ª parceria com grandes gestoras globais. Estamos muito satisfeitos em atuar com a Mirae, que é capaz de desenvolver uma visão única, sempre à frente. Temos acompanhado a evolução do mercado na Ásia e acreditamos que investir em tendências de crescimento seculares é um movimento que veio para ficar e que nos traz um leque de boas oportunidades”, pontua Phyllipe Corsini, head da área de Third Party Distribution do BTG Pactual.

O critério utilizado para a seleção dos fundos adota visão de longo prazo e estratégia bottom-up, para identificar nomes de crescimento de alta qualidade que tenham competitividade sustentável e sejam disruptivas. O Mirae Asset Asia Growth Equity Fund apresenta maior crescimento dos ganhos e maior ROE do que o benchmark. Quase metade da alocação está aplicada em ações da China, empresas da Índia, com 14,2%, Taiwan, com 11,2%, e Coreia do Sul, que representa 10,9%.

A gestão do fundo é realizada pela equipe da Mirae Asset Hong Kong, composta de nove membros e liderada por Phill Lee. O gestor é conhecido pelo mercado como um dos mais experientes em investimentos de longo prazo. Ele é responsável pela gestão do fundo desde 2015, e também administra outros fundos na China, domiciliados em Luxemburgo e na Coreia.

De acordo com Lee, há grande confiança no potencial da Ásia, pois acreditam que ela será a região que gerará mais ações de crescimento no mundo altamente competitivas. “O primeiro ponto é devido ao enorme conjunto de engenheiros de alto nível na China/Índia/Taiwan/Coreia. E segundo é devido ao mercado consumidor massivo como China, Índia e Indonésia”, pontua.