brMalls: Dia D com decisão sobre oferta da Aliansce e eleição do conselho

Conselho de administração deve passar por renovação, capitaneada por Squadra e Aliansce e movida por interesse em fusão
Shopping da brMalls: proposta da Aliansce avaliou empresa em R$ 8,25 bilhões (Divulgação/Divulgação)
Shopping da brMalls: proposta da Aliansce avaliou empresa em R$ 8,25 bilhões (Divulgação/Divulgação)
Por Graziella ValentiPublicado em 29/04/2022 06:26 | Última atualização em 29/04/2022 08:52Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Essa sexta-feira, 29, é dia de muitas emoções para os investidores da companhia de shoppings brMalls. O dia começa com a maior expectativa de todas: a decisão do conselho de administração da companhia a respeito da proposta de combinação com a Aliansce Sonae. A transação avalia a companhia em aproximadamente R$ 8,25 bilhões: R$ 1,25 bilhão mais 55,2% da empresa resultante dessa união.

Na bolsa, pelo fechamento de ontem (28), a brMalls vale R$ 7,8 bilhões e a Aliansce, R$ 5,6 bilhões.

A reunião do colegiado sobre o assunto avançou noite adentro. Já estava decidido previamente que a proposta será levada aos acionistas da brMalls para decidirem em uma assembleia a ser convocada. A questão aqui é ver se o conselho recomendará ou não o negócio para seus acionistas. Tudo indicava que a resposta será “sim, recomenda”, mas sem unanimidade.

Só que o dia não acaba com esse comunicado – esperado para ser publicado até as 9h59, antes do início do pregão às 10 horas. Na parte da tarde, será a instalada a assembleia geral ordinária (AGO), que define o conselho de administração para o próximo mandato.

A expectativa é que haverá uma mudança importante frente à composição atual, capitaneada pela Squadra e pela Aliansce Sonae. Ambas são as maiores acionistas, atualmente, da brMalls, que é ‘true corporation’, ou seja, uma companhia com capital realmente disperso em bolsa. Cada qual tem cerca de 10% do capital total.

A gestora de Paulo Aché solicitou que a eleição se dê por voto múltiplo e indicou dois nomes para o colegiado. A Aliansce deve votar com um poder equivalente a 4,99% e levará para o pleito ao menos um nome, o do economista e ex-ministro Milton Seligman. Somente nessa conta, já são três posição, das sete totais para o conselho. Mas mais surpresas podem ocorrer.

O atual colegiado havia recomendado uma chapa com sete candidatos, com a recondução de cinco dos atuais sete membros.