Invest

Bradesco (BBDC4): lucro líquido recorrente é de R$ 4,2 bilhões no 1T24, 1,6% menos do que o 1T23

Resultado é 1,6% menor que o do mesmo intervalo do ano passado, mas veio 46,3% acima do registrado no quarto trimestre de 2023

Bradesco: banco reporta resultados do primeiro trimestre de 2024 (Andrew Harrer/Bloomberg via /Getty Images)

Bradesco: banco reporta resultados do primeiro trimestre de 2024 (Andrew Harrer/Bloomberg via /Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 2 de maio de 2024 às 07h48.

Última atualização em 2 de maio de 2024 às 09h47.

O Bradesco (BBDC4) encerrou o primeiro trimestre de 2024 com lucro líquido recorrente de R$ 4,211 bilhões, um resultado 1,6% menor que o do mesmo intervalo do ano passado, mas que veio 46,3% acima do registrado no quarto trimestre de 2023.

De acordo com o banco, a melhoria trimestral foi fruto da queda das despesas com provisões com inadimplência e dos resultados da Bradesco Seguros. Por outro lado, a margem financeira ainda pressionada impediu uma melhoria mais forte dos números.

O retorno sobre o patrimônio líquido foi de 10,2%, baixa de 0,4 ponto porcentual em um ano, mas uma alta de 3,3 p.p. em um trimestre. A margem financeira do banco caiu 9% no primeiro trimestre quando comparada à do mesmo período de 2023, para R$ 15,152 bilhões. Em um trimestre, houve baixa de 6,1%.

A margem com clientes, que reflete o ganho em operações de crédito, foi a responsável pela queda, com uma redução de 14,4% em um ano, para R$ 14,522 bilhões. Em um trimestre, a baixa foi de 5,9%. Na tesouraria, o resultado foi de R$ 630 milhões, contra uma perda de R$ 312 milhões no primeiro trimestre de 2023.

A carteira de crédito expandida do Bradesco encerrou o trimestre em R$ 889,918 bilhões, alta de 1,2% em um ano, e de 1,4% em relação ao trimestre anterior. Foi puxada pelas operações para pessoas físicas, que subiram 1,4%, enquanto o crédito para empresas caiu 4%. A inadimplência era de 4,8%, pelo critério de atrasos acima de 90 dias, baixa de 0,3 p.p. em um ano.

"Acreditamos que a carteira de crédito atingiu um ponto de inflexão neste trimestre. Depois de contrair em 2023, iniciou trajetória de aumento que deve perdurar", afirma o Bradesco, no informe de resultados. De acordo com o banco, a originação em pessoas físicas de baixa e média renda superou a média anterior à pandemia, mas em micro e pequenas empresas, ainda há uma normalização a cumprir.

As receitas do banco com serviços tiveram alta de 1,3% em um ano para R$ 8,861 bilhões, com os cartões, as operações de crédito e o banco de investimento compensando a perda de arrecadação com contas correntes.

O Bradesco fechou o primeiro trimestre com R$ 2,000 trilhões em ativos, crescimento de 7,3% no comparativo anual, e de 1,8% em três meses. O patrimônio líquido foi a R$ 162,311 bilhões, alta de 3,3% em um ano.

Acompanhe tudo sobre:BradescoBBDC4Balanços

Mais de Invest

Balanços de bancos americanos, PPI dos EUA e pesquisa de serviços do Brasil: o que move o mercado

BTG Pactual e Teva Índices lançam novo ETF de Tesouro IPCA+

"Corte de juros nos EUA é insuficiente para volta de estrangeiros", diz gestor da Kinea

Ibovespa está ‘barato demais para ignorar’, diz analista; onde investir?

Mais na Exame