Acompanhe:

As bolsas da Europa fecharam com viés de alta nesta sexta-feira, 1º de dezembro, com os investidores otimistas de que o Banco Central Europeu (BCE) já concluiu o ciclo de altas de juros, após falas do dirigente François Villeroy de Galhau.

O avanço nos índices de gerentes de compra (PMIs) industriais na zona do euro e no Reino Unido, além da expansão do PMI chinês, também inspirou o apetite por risco, ao aliviar os temores de recessão no continente.

O índice Eurostoxx subia 0,99%, aos 466,18 pontos, por volta das 13h15 (de Brasília). Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 1,04%, aos 7531,59 pontos; em Frankfurt, o DAX avançou 1,09%, aos 16392,76 pontos; em Paris, o CAC 40 ganhou 0 49%, aos 7346,83 pontos; em Milão o FTSE MIB teve alta de 0,62%, aos 29922,48 pontos; em Madri, o Ibex 35 subiu 0,69%, aos 0,69% pontos; e, em Lisboa, o PSI 20 ganhou 0,68%, aos 6518,84 pontos. As cotações são preliminares.

Villeroy de Galhau disse nesta sexta que o BCE já terminou seu ciclo de aperto monetário, a não ser que haja algum choque, segundo reportou a Bloomberg. Ele afirmou que o debate sobre cortes deve acontecer em 2024, e que o processo desinflacionário na zona do euro "é ainda mais rápido do que o esperado". A perspectiva de uma política menos restritiva tende a impulsionar a demanda por ativos de risco, como ações.

Os comentários contribuíram para acelerar a alta das bolsas, vista após a divulgação de uma bateria de PMIs. Não só os dados da indústria locais melhoraram, como o PMI da China - maior parceira comercial da zona do euro e maior importadora de commodities do mundo - voltou a indicar expansão da atividade.

"A economia da Zona Euro, orientada para a exportação, é impulsionada mais pelo ciclo industrial global do que pelas taxas do BCE, que são muito menos restritivas do que nos EUA e no Reino Unido", contextualizou o Berenberg em relatório a clientes. "Ajudada também por um estímulo fiscal modesto (pelo menos fora da Alemanha), a economia da zona euro poderá crescer a um ritmo ligeiramente superior à sua anterior taxa de tendência de 1,3% em meados de 2024."

Em destaque, ações de mineradoras sobem também na esteira do PMI da China e de notícias de interrupções de produção na produção de cobre em países da América do Sul. Em Londres, Anglo American saltou 7,52%, Antofagasta subiu 5,68%, Rio Tinto avançou 3,76% e Glencore, 3,64%.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Donas da Ozempic e Mounjaro dobram de tamanho em um ano e superam valor de todo o mercado brasileiro
seloMercados

Donas da Ozempic e Mounjaro dobram de tamanho em um ano e superam valor de todo o mercado brasileiro

Há 11 horas

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal
seloMercados

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal

Há 14 horas

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 120 milhões na poupança
seloMercados

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 120 milhões na poupança

Há 14 horas

Na expectativa dos resultados do 4T23, BRF (BRFS3) dispara no Ibovespa e puxa alta de frigoríficos
seloMercados

BRF (BRFS3) dispara no Ibovespa e puxa alta de frigoríficos

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais