Mercados

Bitcoin renova máxima recorde apesar de alertas sobre riscos

A moeda atingiu nesta sexta-feira 17.900 dólares na bolsa Bitstamp, valorização de mais de 1.700% desde o começo do ano

Bitcoin: criptomoeda avançou quase 80% até o momento em dezembro (Thomas Trutschel/Getty Images)

Bitcoin: criptomoeda avançou quase 80% até o momento em dezembro (Thomas Trutschel/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 15 de dezembro de 2017 às 11h51.

Londres - O bitcoin avançou para nova máxima recorde de quase 18 mil dólares na bolsa Bitstamp nesta sexta-feira, apesar de alertas crescentes sobre os riscos de se investir nesse ativo altamente volátil e especulativo.

A valorização recente da moeda digital - mais de 1.700 por cento desde o começo do ano - levou a preocupações sobre o risco de uma bolha que pode estourar de forma espetacular.

O bitcoin avançou quase 80 por cento até o momento em dezembro, a caminho de apresentar o melhor desempenho mensal em termos percentuais desde dezembro de 2013.

A moeda atingiu nesta sexta-feira 17.900 dólares na bolsa Bitstamp baseada em Luxemburgo.

Apesar da alta ante quinta-feira, as negociações foram um pouco mais tranquilas que as oscilações observadas nas últimas semanas, com a volatilidade menor desde o lançamento dos contratos futuros de bitcoin pela Cboe Global Markets no domingo.

Fora do mercado digital, as preocupações continuam crescendo sobre o montante de dinheiro acumulado nesse espaço.

Um estudo realizado por Anglia Ruskin University, Trinity College Dublin e Dublin City University divulgado nesta sexta-feira apontou que o bitcoin poderia representar uma ameaça para a estabilidade financeira dos tradicionais mercados.

Outros, no entanto, dizem que o tamanho total do mercado do bitcoin - ao redor 300 bilhões de dólares - significa que o impacto de qualquer eventual colapso de preços não seria grande o suficiente para ter um efeito decisivo sobre a estabilidade financeira.

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasMoedas

Mais de Mercados

“Continuamos acreditando que o governo vai fazer o certo”, diz CEO do Santander

Ibovespa vira e fecha em queda pressionado por NY

Balanço do Santander, PMI dos EUA e da zona do euro, Tesla e Campos Neto: o que move o mercado

Santander Brasil tem alta de 44,3% no lucro, que vai a R$ 3,3 bilhões no 2º tri

Mais na Exame