Invest

BB Seguridade (BBSE3): lucro líquido de R$ 1,843 bi no 1T24, alta de 4,7% frente ao 1T23

Na comparação com o quarto trimestre do ano passado, o resultado da holding de seguros, previdência e capitalização do Banco do Brasil caiu 10,3% em um ano

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de maio de 2024 às 12h12.

Última atualização em 6 de maio de 2024 às 17h07.

A BB Seguridade (BBSE3) registrou lucro líquido de R$ 1,843 bilhão no primeiro trimestre deste ano, o que representa um crescimento de 4,7% em relação ao mesmo intervalo de 2023. Na comparação com o quarto trimestre do ano passado, o resultado da holding de seguros, previdência e capitalização do Banco do Brasil caiu 10,3% em um ano.

Crescimento Sustentável

Os resultados das participações da BB Seguridade nas empresas em que é sócia somaram R$ 1,836 bilhão no primeiro trimestre, um avanço de 4,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o resultado da BB Corretora foi de R$ 793,262 milhões, crescimento de 12,1% em um ano. A BB Seguridade detém 100% das ações da corretora.

De acordo com a companhia, a maior contribuição para o desempenho, no comparativo anual, foi da BB Corretora, empresa de que detém 100% das ações, e que é responsável por vender os produtos de seguridade na rede do BB. O resultado da corretora teve crescimento graças às maiores receitas de corretagem e à alta de seu resultado financeiro.

Também tiveram contribuições positivas a seguradora Brasilseg e a Brasilcap, empresa de capitalização do Grupo. Na seguradora, a evolução veio da maior arrecadação com seguros e da redução da sinistralidade, enquanto na empresa de capitalização, o crescimento da margem financeira foi a alavanca de resultados.

No primeiro trimestre, por outro lado, o resultado financeiro da holding e das empresas investidas somou R$ 221 milhões, volume 34,7% menor que o do primeiro trimestre de 2023, e 51,2% menor que o do quarto trimestre do ano passado.

A empresa afirma que a retração em base anual é atribuída aos números da Brasilprev, a empresa de previdência do Grupo, que é explicada pela contração dos índices de inflação que corrigem grande parte dos ativos garantidores dos planos de benefício definido. Além disso, a alta dos juros futuros no período levou a uma marcação a mercado negativa em parte da carteira.

O resultado financeiro representou 12% do lucro da BB Seguridade uma queda de 7,2 pontos porcentuais em relação ao mesmo período de 2023.

Resultados fortes em tempos voláteis

O presidente da BB Seguridade, André Haui, disse que o resultado foi sólido mesmo com essa retração. "Mesmo diante de um cenário desafiador para o resultado financeiro, com a queda da Selic, esse resultado da BB Seguridade demonstra a solidez de uma companhia bem fundada em seus pilares estratégicos e a capacidade de se adaptar e transformar", afirmou ele em nota.

Ao longo dos três primeiros meses do ano, a taxa Selic média foi de 11,28%, ante 13,65% no mesmo período do ano passado. Em março, 38,2% das aplicações financeiras do Grupo estavam em instrumentos pós-fixados, enquanto 46,9% estavam naqueles indexados por índices de inflação. Em março do ano passado, estes percentuais eram de 38,7% e de 48,5%, respectivamente.

Acompanhe tudo sobre:BalançosBB SeguridadeBBSE3

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio de R$ 35 milhões

Caixa abre cadastro de imóveis que serão comprados pelo governo e doados a famílias do RS

Apple dispara após parceria com ChatGPT, supera Nvidia e fica a 1% de ser a mais valiosa do mundo

Bolsa brasileira na “lanterna” em 2024; entenda os motivos e saiba lidar com isso

Mais na Exame