Alibaba e as ações asiáticas que Buffett e Munger estão comprando

Bilionário investidor e seu braço-direito continuam a fazer investimentos em companhias da região, de olho em oportunidades de longo prazo
Warren Buffett (à esquerda) e Charlie Munger durante encontro anual da Berkshire Hathaway em Omaha, Nebraska (Daniel Acker/Bloomberg)
Warren Buffett (à esquerda) e Charlie Munger durante encontro anual da Berkshire Hathaway em Omaha, Nebraska (Daniel Acker/Bloomberg)
Marcelo Sakate
Marcelo Sakate

Publicado em 11/04/2021 às 11:20.

Última atualização em 11/04/2021 às 11:32.

Warren Buffett e seu parceiro de mais de quatro décadas, Charlie Munger, são conhecidos entusiastas e defensores da força da economia americana.

"Apesar de algumas interrupções severas, o progresso econômico de nosso país é de tirar o fôlego. Nossa inabalável conclusão é: nunca aposte contra a América", escreveu Buffett no início do ano na tradicional carta aos acionistas de sua holding de investimentos, a Berkshire Hathaway.

Quer se tornar sócios das empresas que mais crescem no mundo? Veja como se tornar um investidor global

Em linha com essa visão, companhias americanas predominam no portfólio de ações da Berkshire. São gigantes da velha e da nova economia, companhias como Coca-Cola, Kraft-Heinz, Bank of America, American Express e Apple.

Mas isso não significa que o Oráculo de Omaha e seu braço-direito na Berkshire estejam desatentos ao que há de oportunidades de investimento no resto do mundo. É a tese da diversificação geográfica demonstrada por grandes investidores.

Nesta semana que passou, Munger revelou uma nova posição que evidencia a visão de longo prazo que costuma guiar as escolhas da dupla: ações do Alibaba, a gigante de tecnologia do bilionário chinês Jack Ma.

As ações estão cerca de 30% abaixo do pico no fim de outubro, quando despencaram em razão do adiamento do IPO do Ant Financial Group -- o braço de pagamentos digitais do grupo -- e do cerco regulatório do governo chinês.

Para analistas de mercado, no entanto, dadas a liderança e a força financeira do Alibaba, a perspectiva para as suas ações é de recuperação no médio prazo.

O investimento de Mumger se deu por meio do Daily Journal, uma empresa da qual é o presidente do conselho e que publica jornais, conteúdo especializado (jurídico), desenvolve softwares e que tem participações acionárias em alguns bancos, como Bank of America e Wells Fargo.

O Daily Journal comprou 165.000 ações do Alibaba, avaliadas no fim de março em 37 milhões de dólares. Para quem avalia o gasto como "pequeno", convém lembrar de outra aposta liderada por Munger, desta vez por meio da Berkshire.

Foi justamente Munger quem liderou a compra da fatia acionária na BYD, mais de 12 anos atrás, em 2008: na época, o valor despendido foi de "apenas" 230 milhões de dólares. Atualmente, essa fatia vale 5,07 bilhões de dólares.

A BYD é hoje uma das maiores montadoras chinesas e que tem se destacado na corrida dos carros elétricos no país e no mundo. Trata-se da única "intrusa" estrangeira na lista das dez principais posições na carteira da Berkshire -- as demais são empresas americanas.

Ainda assim, não é bem uma posição isolada. Em agosto passado, Buffett revelou um investimento somado avaliado à época em 6 bilhões de dólares em cinco dos maiores conglomerados empresariais do Japão, com participação aproximada de 5% em cada uma.

As escolhidas foram as trading houses, ou sogo shosha, Itochu, Mitsubishi Corp., Mitsui & Co., Sumitomo Corp. and Marubeni.

E mais pode está por vir: a Berkshire pretende levar o equivalente a 1,1 bilhão de dólares com a emissão de dívida em ienes japoneses, o que analistas enxergam como um prenúncio de novas compras no país asiático.

A tese ventilada é que Buffett pode ampliar as fatias nos conglomerados com os novos recursos, uma vez que a própria Berskshire já expressou planos de deter até 9,9% do capital de cada uma das cinco.