Invest

Alibaba muda CEO em processo de reestruturação

Alibaba, fundada pelo empresário carismático Jack Ma e pioneira do comércio eletrônico na China, foi durante muito tempo um exemplo de sucesso no país. Mas nos últimos anos o grupo enfrentou dificuldades sem precedentes

Alibaba (Aly Song/Reuters)

Alibaba (Aly Song/Reuters)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 20 de junho de 2023 às 10h21.

O grupo chinês de tecnologia Alibaba anunciou nesta terça-feira, 20, a substituição a partir de setembro de seu CEO, Daniel Zhang, em um momento de reestruturação da empresa.

Alibaba, fundada pelo empresário carismático Jack Ma e pioneira do comércio eletrônico na China, foi durante muito tempo um exemplo de sucesso no país. Mas nos últimos anos o grupo enfrentou dificuldades sem precedentes devido ao controle cada vez maior imposto pelo governo sobre o setor de tecnologia.

Após vários meses de turbulências, o conglomerado anunciou em março uma divisão em seis grupos de negócios, em uma das maiores reformas de uma empresa de tecnologia chinesa.

Com o processo de reestruturação, Daniel Zhang anunciou em um comunicado que é "o momento adequado" para se afastar da empresa. Ele renunciará aos cargos de presidente e CEO, assim como à presidência do conselho de administração.

Zhang será substituído neste último cargo por Joseph C. Tsai, atual vice-presidente executivo do grupo Alibaba. Eddie Yongming Wu, que coordena os principais aplicativos de comércio eletrônico do grupo (Taobao e Tmall), será o novo presidente e CEO. As mudanças acontecerão em 10 de setembro, segundo Alibaba.

Zhang permanecerá como presidente e CEO do Alibaba Cloud Intelligence Group, informou a empresa. O executivo, 51 anos, foi responsável por garantir a transição no conglomerado Alibaba após a saída em 2019 de seu fundador Jack Ma.

Além do comércio eletrônico, a empresa com sede em Hangzhou (leste) tem um amplo leque de atividades, que inclui computação na nuvem, logística, mídia e entretenimento, além de inteligência artificial.

Dificuldades impostas pelo governo chinês

Alibaba foi a primeira empresa do setor de tecnologia a enfrentar as dificuldades impostas pelas autoridades chinesas.

No fim de 2020, o governo impediu, com apenas 48 horas de antecedência, a gigantesca entrada na Bolsa (de quase 34 bilhões de dólares, 176,6 bilhões de reais) de Hong Kong do Ant Group, a unidade de finanças e pagamentos da Alibaba.

O conglomerado também foi alvo de uma investigação por prejudicar a concorrência. Os problemas afetaram consideravelmente a rentabilidade do conglomerado em 2022.

Acompanhe tudo sobre:AlibabaChina

Mais de Invest

Cosan (CSAN3): entenda por que as ações da holding derreteram 34% em 2024

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 86 milhões

Meu sogro doou 'terras da fazenda' em vida e os irmãos dele não concordaram. E agora?

Quina de São João sorteia prêmio de R$ 220 milhões neste sábado; veja como jogar e fazer bolão

Mais na Exame