Ações e BDRs da Netflix desabam mais de 20% após balanço do 4º tri

Investidores reagiram negativamente ao número de novos assinantes, que cresceu abaixo do esperado
 (Mike Blake/Reuters)
(Mike Blake/Reuters)
Por Beatriz QuesadaPublicado em 21/01/2022 12:30 | Última atualização em 21/01/2022 12:46Tempo de Leitura: 3 min de leitura

As ações da Netflix (NFLX) desabam 24,3% na bolsa americana Nasdaq por volta de 12h desta sexta-feira – seu maior declínio percentual desde 2014. Na bolsa brasileira, os BDRs da empresa (NFLX34) também operam em forte queda de 25,4%. 

Às 12h35:

  • Netflix (NFLX) - Nasdaq: -24,36%;
  • Netflix(NFLX34) - B3: - 25,24%.

O motivo para a derrocada dos papéis foi a divulgação dos números do quarto trimestre de 2021, apresentados na noite passada. O principal ponto negativo do resultado foi a desaceleração do número de novos assinantes.

A companhia adicionou 8,28 milhões de assinantes à sua base no último trimestre, número levemente abaixo do esperado pelo mercado, que previa 8,38 milhões de novos assinantes, segundo dados da Refinitiv.

“O lucro líquido por ação somou 1,33 dólar, acima do consenso de 0,82 dólar [esperado por analistas]. No entanto, a principal métrica analisada pelo mercado é a adição de novos assinantes, e o mercado detestou esse resultado”, afirmam, em nota, os analistas do BTG Pactual.

Vale lembrar que o resultado foi divulgado em um momento de intensificação da competição no mundo do streaming, com concorrentes como Walt Disney e AT&T HBO Max investindo bilhões de dólares em suas programações. 

Para os analistas do Credit Suisse, o balanço pode ter sido impactado principalmente por três fatores: ressaca após bons resultados durante a pandemia, impacto crescente da concorrência e maior dificuldade em atingir a meta de crescimento do streaming para todos.

“O atual ritmo de crescimento mais lento e a pouca visibilidade de médio prazo inspiram uma projeção mais conservadora”, afirmam os analistas, em relatório. O banco rebaixou a recomendação para as ações de “compra” para “neutra”.

No caso do BTG, a projeção da Netflix para 2022 também foi considerada fraca. A companhia espera receita líquida de 7,9 bilhões de dólares, o que representa alta de 10% na comparação anual, mas seria o menor crescimento em vários trimestres. “A empresa espera queda no lucro líquido da ordem de 24% (no 4º tri havia crescido 12%) e adição de somente 2,5 milhões de novos assinantes”, avaliam os analistas.

Segundo a companhia, o ano promete o menor crescimento histórico de base de assinantes pagos, atualmente em 221,84 milhões.