Inteligência Artificial

Senado deixa regulamentação da IA para o fim do ano

Presidente da comissão, Carlos Viana, optou por adiar a votação do projeto de lei 2338/23 devido a polêmicas e contribuições de última hora

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária em 20 de junho de 2024
 (Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária em 20 de junho de 2024 (Edilson Rodrigues/Agência Senado)

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 10 de julho de 2024 às 17h20.

Última atualização em 11 de julho de 2024 às 10h22.

O presidente da comissão temporária do Senado Federal, Carlos Viana (Podemos-MG), adiou a votação do projeto de lei 2338/23, que trata da regulamentação do uso e desenvolvimento da inteligência artificial, para o fim do ano, após as eleições municipais.

"Há muita polêmica, temos a contribuição de setores que chegaram de última hora, mudanças no texto questionadas pelos senadores da comissão. Não adianta nada entregarmos um relatório que vai gerar muita polêmica e não vai ter consenso. O Senado é uma casa de consenso. Vamos votar, mas depois de esgotada a maior parte dos pontos polêmicos do projeto", explicou Viana.

No requerimento já apresentado à presidência do Senado, Viana afirmou que, "diante da complexidade e relevância do tema", é oportuno acolher as ponderações sobre a necessidade de prorrogar o prazo final da CTIA, permitindo a ampliação dos debates e mais tempo de reflexão sobre o texto a ser votado. Ele pediu um novo prazo até 20 de dezembro.

"Vou pedir a renovação da comissão ao presidente da Casa, vamos conversar sobre um novo cronograma, e vamos deixar a votação para depois das eleições. E esperamos que a Câmara dos Deputados participe para que essa peça saia daqui como consenso do Parlamento", afirmou Viana.

Complexidade do projeto e pressão dos setores

A decisão de Viana reflete as dificuldades enfrentadas para se chegar a um consenso em um tema tão complexo quanto a regulamentação da inteligência artificial. As contribuições de última hora e as mudanças no texto original evidenciam a necessidade de um debate mais aprofundado, garantindo que todas as partes interessadas sejam ouvidas e que o resultado final seja um texto robusto e amplamente aceito.

Além disso, a proximidade das eleições municipais adiciona um fator de pressão aos senadores, que preferem adiar a votação para um momento menos conturbado politicamente. A expectativa é que, com mais tempo, seja possível resolver os pontos polêmicos e construir um projeto de lei que realmente atenda às necessidades e preocupações da sociedade em relação ao uso da IA.

Acompanhe tudo sobre:SenadoInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

AMD anuncia aquisição do maior laboratório privado de IA da Europa por R$ 3,5 bilhões

Índia precisa de 1 milhão de engenheiros de alta tecnologia

Com IA no iPhone 16, Apple planeja aumentar fabricação de aparelhos em 10%

Fundo por trás da francesa Mistral levanta US$ 2 bilhões para investir em inteligência artificial

Mais na Exame