Future of Money

Tokenização: será que vamos enfim tokenizar tudo?

Os tokens de ativos do mundo real são a ponte entre o mundo digital e o físico, e têm uma força muito grande para levar o blockchain para o mainstream

Abstract blockchain technology concept. Internet security. Isometric digital cube connection background. (Getty Images/Reprodução)

Abstract blockchain technology concept. Internet security. Isometric digital cube connection background. (Getty Images/Reprodução)

Antônia Souza
Antônia Souza

COO na Lumx

Publicado em 6 de abril de 2024 às 11h00.

Parece que o bull market está mesmo de volta. Desde o final de 2021 eu não ouvia falar tanto sobre cripto, bitcoin, blockchain, etc. Devemos combinar que os últimos meses realmente foram muito intensos para quem está imerso nesse universo. E claro, não podemos esquecer que estamos no mês do tão esperado halving e isso por si só já deixa o mercado todo ouriçado.

Mas uma coisa que ouvi muito durante o boom dos NFTs era a frase "tudo pode ser tokenizado!" e normalmente ela vinha seguida de uma ideia de tokenizar algo que não demorou muito tempo para as pessoas verem que não fazia sentido. Algo que aprendi estudando e trabalhando nesse mercado é que embora sim, tudo possa ser tokenizado, nem tudo deve ser tokenizado.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Com a chegada do bull market, a aprovação dos ETFs e todo esse frenesi que vemos ao entorno do blockchain, há um crescente mercado de tokenização de ativos reais ou os Real World Assets (RWA). Esses ativos vêm ganhando força a cada dia e estima-se que seja um mercado que pode atingir 10 trilhões de dólares até 2030.

A tecnologia por trás

Os Ativos do Mundo Real (RWA) utilizam o blockchain para digitalizar e tokenizar ativos físicos ou intangíveis, permitindo a sua representação como tokens digitais em um ambiente descentralizado. O uso do blockchain, permite que os RWA tenham transparência, rastreabilidade e segurança, além de facilitar a negociação, a liquidez e o acesso a mercados globais.

O blockchain proporciona também mecanismos de autenticação e verificação que garantem a integridade e a autenticidade dos ativos tokenizados. E permite a criação de contratos inteligentes que automatizam processos, como a execução de pagamentos e a transferência de propriedade, reduzindo a necessidade de intermediários e diminuindo os custos de transação.

Os RWAs são a ponte entre o mundo digital e o mundo real, e têm uma força muito grande para levar o blockchain para o mainstream. Mas embora eu acredite nisso RWAs, também gostaria de trazer alguns pontos de atenção para você que pensa em investir neles ou está começando a aprender sobre eles agora.

O que você deve saber antes

Diferente de tokenizar ativos puramente digitais, ao tokenizar ativos reais faz se necessária a intervenção de intermediários que assegurem a autenticidade e confiabilidade do token que representa o ativo. Esse fator pode ser crucial para o sucesso ou fracasso da tokenização.

Além disso, surgem diversas questões relacionadas aos riscos associados a esses terceiros, como a segurança do local de armazenamento do ativo, os contratos legais em vigor, a responsabilidade em caso de perda ou deterioração do ativo e a autenticidade do token.

Por isso perguntas como: Há alguma limitação geográfica para armazenamento e resgate? Quais são os custos de armazenamento e de resgate? Quem é responsável pela perda ou deterioração do ativo? Quantos ativos podem ser resgatados de uma só vez sem risco (volatilidade)? Onde meu ativo RWA está armazenado?

Outros pontos importantes que também devem ser considerados são:

Ativos que podem ser tokenizados: Hoje no Brasil, a tokenização de ativos reais ainda está em fase de desenvolvimento regulatório, mas já existem algumas possibilidades dentro do atual arcabouço jurídico.

Os ativos que podem ser tokenizados incluem: Imóveis, ativos financeiros, obras de arte, direitos de propriedade intelectual, produtos agrícolas e commodities e créditos de carbono. É importante destacar que, embora esses ativos possam ser tokenizados, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Banco Central do Brasil (Bacen) têm estudado e emitido orientações e por isso é fundamental acompanhar as atualizações regulatórias.

O modelo de direitos: Como investidor você deve entender os direitos adquiridos. Se tokenizando ativos intangíveis como licenças musicais, os tokens dão direitos de uso, não propriedade. Por exemplo, comprar uma música no iTunes é obter uma licença, não a propriedade. Já na tokenização de ativos tangíveis como imóveis os tokens concedem ao investidor o direito de utilizar uma determinada área por um determinado período de tempo.

Diante dessas reflexões, é evidente que, embora a tokenização ofereça possibilidades revolucionárias, é fundamental abordar os riscos e desafios associados para garantir uma adoção segura e bem-sucedida dessa tecnologia.

À medida que a adoção de RWA se expande, torna-se cada vez mais claro que a gestão de riscos é um fator mais determinante para o sucesso dos projetos. E embora a promessa de tokenizar tudo seja linda, é essencial navegar com cautela e buscar aplicações que solucionem dores reais.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:TokenizaçãoBlockchainCriptoativos

Mais de Future of Money

Descentralização na Web3: redefinindo o futuro da internet

Criptomoedas podem cair mesmo em mercado de alta: o que é correção e como lidar com isso

Por que as marcas não podem ignorar o blockchain: a transformação da interação com o consumidor

A solução para as barreiras de liquidez global nos investimentos

Mais na Exame