Future of Money

Bilionário Paul Tudor Jones recomenda bitcoin e cita riscos geopolíticos e fiscais

Investidor destacou que combinação de problemas internacionais e elevação da dívida dos EUA exige investimentos de proteção

Paul Tudor Jones ficou conhecido por defender investimentos em bitcoin (Bloomberg/Getty Images)

Paul Tudor Jones ficou conhecido por defender investimentos em bitcoin (Bloomberg/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 11 de outubro de 2023 às 14h32.

Última atualização em 11 de outubro de 2023 às 14h59.

O investidor bilionário Paul Tudor Jones defendeu nesta semana que os investimentos em bitcoin e ouro são "opções atrativas" no mercado em meio a uma combinação de "extensos" riscos geopolíticos ao redor do mundo e um nível crescente de endividamento por parte do governo dos Estados Unidos.

Questionado sobre o atual cenário político internacional, Jones afirmou ao canal CNBC que "esse pode ser o ambiente geopolítico mais ameaçador que eu já vi". Já sobre a situação fiscal americana, o bilionário disse que ela está no momento mais fraco desde a Segunda Guerra Mundial.

Na visão dele, "à medida que os custos dos juros sobem nos Estados Unidos, você entra neste círculo vicioso, onde taxas de juro mais altas causam custos de financiamento mais elevados, causam maior emissão de dívida, o que causa mais liquidação de títulos, o que causa taxas mais altas, o que nos coloca em uma posição fiscal insustentável".

Diante desse cenário, Jones comentou que "eu não consigo amar o mercado de ações" no momento, mas que "eu amo o bitcoin e o ouro". Com o comentário, o bilionário reforçou uma posição já conhecida no mercado de defesa da maior criptomoeda do mundo como um ativo de proteção, semelhante ao ouro.

Sabia que você pode investir em bitcoin, ether, Polkadot e muitas outras moedas digitais direto no app da Mynt? Comece com R$ 100 e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Clique aqui para abrir sua conta gratuitamente.

Investimentos em bitcoin

Jones elogia o bitcoin desde, pelo menos, 2020. Naquele ano, o investidor revelou suas primeiras operações envolvendo os ativos e informou que reservou entre 1% e 2% de toda a sua carteira para a criptomoeda. Já em 2021, a fatia teve uma leve alta, correspondendo a 5% do seu total de ativos.

Na época, o anúncio do bilionário veio em meio a um forte ciclo de valorização no mercado de criptomoedas. Mas mesmo o último período de queda mais acentuada, em 2022, não parece ter desanimado o investidor. Em maio deste ano, ele confirmou que manteve seus investimentos.

É a única coisa que os humanos não conseguem ajustar a oferta, então continuarei com ele. Sempre vou ter”, disse Paul Tudor Jones em sua participação no programa Squawk Box, da CNBC, no dia 15 de maio. "Nunca sentei em um cavalo por tanto tempo", brincou.

Ao mesmo tempo, Jones comentou que o elemento que mais o preocupa em relação ao futuro do bitcoin é a atuação de reguladores: "o  bitcoin tem um problema real porque nos Estados Unidos você tem todo o aparato regulatório contra ele. Portanto, são apenas notícias de ontem e se a inflação realmente melhorar um pouco […] esse jogo pode ter acabado".

yt thumbnail

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinOuroCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Comissão Federal de Comércio dos EUA alerta para aumento de golpes românticos com criptomoedas

Bitcoin em “queda livre” é oportunidade de compra? Especialista do BTG responde

G20 debate como blockchain pode ajudar na economia digital e segurança dos maiores países do mundo

Inteligência artificial “vai transformar bancos”, diz pesquisa do Boston Consulting Group

Mais na Exame