Future of Money

JPMorgan revela investimentos em ETFs de bitcoin apesar de críticas de CEO

Jamie Dimon ficou conhecido pelas críticas públicas à criptomoeda, mas banco adotou postura diferente

JPMorgan investiu em ETFs de bitcoin (Mike Kemp/Getty Images)

JPMorgan investiu em ETFs de bitcoin (Mike Kemp/Getty Images)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 13 de maio de 2024 às 10h16.

O JPMorgan, uma das empresas mais importantes do mercado financeiro, revelou na última sexta-feira, 10, que está investindo em fundos negociados em bolsa (ETFs, na sigla em inglês) de bitcoin. Os aportes ocorreram mesmo após críticas do CEO do grupo, Jamie Dimon, sobre a criptomoeda.

Os investimentos nos fundos foram revelados nos documentos enviados pelo banco à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, a SEC. Eles apontam que a empresa adquiriu participações nos ETFs das gestoras BlackRock, Bitwise, Fidelity e Grayscale ao longo do primeiro trimestre.

Ao todo, os investimentos realizados pelo JPMorgan nos ETFs de bitcoin somam US$ 760 mil (R$ 3,9 milhões, na cotação atual). O banco revelou ainda que investiu US$ 47 mil em ações na Bitcoin Depot, uma empresa que fornece caixas eletrônicos que permitem saques e pagamentos com criptomoedas.

Além do banco, outros gigantes do mercado financeiro também acabaram revelando em seus balanços trimestrais que estão investindo nos ETFs da maior criptomoeda do mundo. É o caso do Wells Fargo, da Susquehanna International Group e do BNY Mellon, o banco mais antigo dos EUA.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Jamie Dimon e o bitcoin

Entretanto, o investimento do JPMorgan chamou a atenção do mercado devido ao histórico de críticas por parte de Jamie Dimon contra o bitcoin. Em janeiro de 2024, ele afirmou que o ativo seria uma “pedra de estimação” e afirmou “não se importar” que grandes empresas do mercado financeiro estejam desenvolvendo iniciativas com o ativo.

Já em março deste ano, Dimon disse que defende o direito das pessoas investirem na criptomoeda, mas reforçou que, pessoalmente, jamais iria investir no ativo. "Eu realmente acho que é um risco se você for um comprador. Quando os governos olham para tudo isso, por que eles toleram?", questionou.

Além disso, o JPMorgan foi escolhido pela BlackRock como um “participante autorizado” do seu ETF de bitcoin à vista, que é a maior do mundo em ativos sob gestão, aproximando o banco da criptomoeda.

Acompanhe tudo sobre:JPMorganBitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Lei de Inovação Financeira e Tecnologia para o Século 21: o que é e quais os impactos?

A revolução dos ativos digitais: uma análise das recentes mudanças no mercado de criptomoedas

Gigantes de Wall Street "financiam a poluição do bitcoin", diz Greenpeace

Projeto de lei para eliminar banco central nos EUA foi inspirado no bitcoin

Mais na Exame