Future of Money

Febraban: celular chega a 70% das transações bancárias e projetos com IA avançam em bancos

Nova edição da pesquisa de tecnologia bancária divulgada pela organização reforça a posição de inovação do setor bancário, segundo executivo

Febraban aponta expansão dos investimentos em tecnologia por bancos (Getty Images/Reprodução)

Febraban aponta expansão dos investimentos em tecnologia por bancos (Getty Images/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 8 de julho de 2024 às 17h29.

Última atualização em 8 de julho de 2024 às 17h38.

A nova edição da pesquisa de tecnologia bancária divulgada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostra uma consolidação do celular como um canal de transações para os brasileiros e indica uma expansão das iniciativas envolvendo inteligência artificial no setor, de acordo com Rodrigo Mulinari, diretor responsável pelo levantamento.

Em entrevista à EXAME, Mulinari afirma que o crescimento "significativo" do mobile como um canal de transações é algo que "sempre chama a atenção": "Uma coisa é ser o canal preferencial, outra coisa é ter esse nível. Já são 70% das transações que ocorrem via celular, e há três anos estava em pouco mais de 50%".

Mulinari avalia ainda que os dados reforçam a situação do mercado financeiro como "muito moderno". "É um setor inovador, é o que mais investe em tecnologia no Brasil. O crescimento dos canais digitais ano a ano reforça essa questão de serem empresas de tecnologia. Mas até os canais físicos envolvem tecnologia hoje em dia", pontua.

Mesmo com esses avanços tecnológicos, o executivo pontua que "o Brasil é muito heterogêneo, e as agências físicas ainda são muito importantes. Cerca de 47% das aberturas de conta ainda ocorrem em agências, e operações mais complexas ainda ocorrem mais no físico, mesmo com um investimento ano a ano dos bancos para melhorar a experiência do canal digital e incentivar o uso".

Nesse sentido, ele acredita que "o setor bancário ainda está longe de chegar em um momento em que só vai ter um canal digital. Não tem essa perspectiva nem é o interesse dos bancos".

Bancos e IA

Para Mulinari, "os bancos foram pioneiros no uso de inteligência artificial", com destaque para as áreas de segurança, operações de backoffice, biometria e reconhecimento facial. Nesses segmentos, a IA "já é massivamente utilizada".

Por outro lado, ele acredita que a expansão da IA generativa tem beneficiado principalmente os chamados chatbots, uma solução que tem crescido nos bancos e atraído investimentos. "Antes, eles tinham mais viés de atendimento, ainda é muito forte, mas de um ano para o outro teve um crescimento enorme nessa oferta e também com um aspecto transacional, um novo canal. Foi um crescimento de 76%", explica.

"A novidade neste ano é a generativa, e já vemos a maioria dos bancos usando, uma adoção muito rápida, mas ainda em soluções internas, de apoio ao funcionário, para facilitar o desenvolvimento de software. O que devemos ver, começando a surgir neste ano, são soluções diretas ao cliente final, com uso de IA generativa em escala maior", projeta.

Para Mulinari, a tendência é que os bancos realizem tanto a melhoria de soluções existentes a partir da inteligência artificial quanto a criação de novos casos de uso. Ele espera que essa combinação resulte em soluções capazes de agregar mais valor ao dados, trazendo informações relevantes e com usos para compras, educação financeira e suporte de atendimento, aproveitando o aspecto mais conversacional dessa nova geração de IA

"A IA generativa vai exponenciar algumas coisas que temos, com mais aperfeiçoamento, e o segundo ponto é dar escala a algumas coisas que hoje não conseguimos ter pelo volume de dados, com atendimento mais personalizado, direcionado. Ao mesmo tempo que é disruptiva, traz uma série de preocupações, e não só no setor bancário, é algo mundial. Talvez seja o primeiro momento da história em que as empresas querem regulação. O potencial é tão grande que pode extrapolar a ordem", pondera.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Blockchain e Drex

Outro tema relevante da pesquisa é o novo foco dos bancos na tecnologia blockchain, graças ao avanço do Drex, projeto do Banco Central de criação de uma plataforma com uma versão digital do real. Para Mulinari, a pesquisa indica que "blockchain está dentro das tecnologias que são prioritárias em todos os bancos".

"Já havia um uso interno para algumas questões, o que o Drex vai fazer é exatamente dar um uso padronizado a partir da moeda digital brasileira, que tem diversos vieses e possibilidades", explica. Ele ressalta ainda que o piloto em desenvolvimento pelo BC requer investimentos e treinamento de equipes para a tecnologia.

Nesse sentido, ele afirma que "o investimento está sendo cada vez maior e há uma preparação dos times. A expectativa é que possibilite novos produtos, experiências, reduzindo fricções. Acreditamos que haverá um investimento massivo na tecnologia blockchain".

Já para 2025, Mulinari acredita que uma grande tendência é a expansão das mensagens instantâneas como canal para transações bancárias, tanto em aplicativos externos, como o WhatsApp, quanto em sistemas próprios dos bancos. Hoje, elas correspondem a menos de 1% das transações, mas cresceram 76% na comparação ano a ano.

"A base é pequena, mas começa a chamar a atenção. Pela curva, devemos falar mais sobre isso ao longo dos anos. Podem ser canais internos, WhatsApp e outros provedores. Como é conversacional, casa bem com IA generativa, é um uso prático, então deve continuar crescendo", avalia.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BancosTecnologiaInteligência artificialDrex (Real Digital)Febraban

Mais de Future of Money

Bitcoin ou ether: o que comprar após forte queda das criptomoedas?

Empresa brasileira usa tokenização para permitir investimentos em hits do piseiro

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Mais na Exame