Projeto do MIT distribui bitcoin e dá 13.000% de lucro aos participantes

Experimento realizado em 2014 distribuiu 0,35 bitcoin gratuitamente para alunos da universidade americana; fração equivale atualmente a R$ 60 mil

Em 2014, dois alunos do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveram um projeto chamado "MIT Bitcoin Project", no qual distribuíram mais de 310.000 dólares em bitcoin a outros alunos da instituição. A ideia, que voltou à tona recentemente em um artigo da Bloomberg, era estudar os impactos da nova tecnologia, mas acabou rendendo até 100.000 reais aos participantes — ou, pelo menos, àqueles que mantiveram a criptomoeda desde então.

Alunos do MIT que preencheram um questionário receberam uma carteira com 0,35 bitcoin, equivalente, na época, a 100 dólares (500 reais). Havia 500.000 dólares em bitcoin para ser distribuídos, mas cerca de 200.000 dólares acabaram "encalhados" por falta de interessados.

O valor distribuído foi obtido com ex-alunos do MIT ligados ao setor de criptoativos e membros do então recém-fundado "Clube do Bitcoin" da universidade. Os participantes do experimento poderiam fazer o que quisessem com o ativo, inclusive trocar o bitcoin por dinheiro ou livros e materiais escolares na livraria da universidade que, como parte do projeto, passou a aceitar pagamentos com a criptomoeda.

Quem escolheu deixar a criptomoeda guardada, entretanto, acabou ganhando uma enorme quantia de dinheiro. Em abril de 2021, quando o bitcoin chegou ao maior preço de sua história, de 64.000 dólares, a fração distribuída no "MIT Bitcoin Project" valia mais de 20.000 dólares — ou cerca de 100.000 reais. Mesmo após a queda recente no preço do bitcoin, a alta desde que foi distribuído chega a 13.000%.

"É realmente incrível. A maioria de nós [participantes do projeto] levou aquilo como uma brincadeira", disse Mary Spanjers, ex-aluna do MIT, que guardou suas criptomoedas até hoje, em entrevista à Bloomberg, que afirma que não se sabe quantos dos 3.100 alunos que receberam bitcoin ainda mantêm a custódia dos mesmos. "Pouco depois que recebemos, o valor caiu de 100 para 50 dólares, e muita gente ficou maluca e comprou pizza", contou Spanjers.

Segundo a publicação, 10% dos participantes se desfizeram do ativo digital menos de uma semana após o receberem, mas os dados desde então acabaram se perdendo. A livraria da universidade também não recebeu muitos pagamentos com a criptomoeda: "Bitcoin não decola como moeda no MIT", dizia matéria de 2016 sobre o assunto, do jornal Boston Globe. Além disso, há registro de inúmeros participantes que perderam acesso à carteira e relatos de pessoas que usaram a criptomoeda para comprar coisas como sapatos e cerveja.

Caso todos os participantes do projeto tivessem mantido a posse de seus bitcoins até hoje, eles custariam, somados, cerca de 60 milhões de dólares (300 milhões de reais), uma valorização e tanto frente aos 310.000 dólares distribuídos.

No curso Decifrando as Criptomoedas, da EXAME Academy, Nicholas Sacchi mergulha no universo de criptoativos com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o seu funcionamento. Confira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também