Future of Money

'Coincidência' que fez bitcoin subir após halvings anteriores pode se repetir este ano, aponta BTG

Será que o halving foi mesmo o único responsável por disparadas anteriores do bitcoin? Plataforma de investimentos do banco BTG lança relatório sobre o “evento do ano” da criptomoeda

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 17 de abril de 2024 às 17h41.

Tudo sobreBitcoin
Saiba mais

O halving do bitcoin está cada vez mais próximo. Faltam aproximadamente dois dias para o “evento do ano” da criptomoeda. Muito aguardado por investidores e especialistas que se dividem entre o otimismo e a cautela, o halving ainda desperta muita curiosidade. Pensando nisso, os analistas da Mynt, plataforma de criptoativos do BTG Pactual, lançaram um relatório sobre o evento.

Responsável por cortar a emissão do bitcoin pela metade uma vez a cada quatro anos, o halving faz parte da escassez programada do bitcoin. Mas não só isso: ao longo dos anos, criou-se a crença de que o halving ajuda a impulsionar altas significativas do bitcoin para novas máximas.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

“O bitcoin, embora não tangível, estabelece seu valor através da escassez, divisibilidade, portabilidade e segurança fornecida pela tecnologia blockchain, de modo que suas percepções de utilidade e potencial futuro conferem valor à criptomoeda, assemelhando-se ao ouro. Assim como o metal precioso, o bitcoin possui uma oferta limitada, estabelecida em 21 milhões de unidades. Essa escassez digital programada e inalterável é uma das principais características que conferem valor ao bitcoin”, explicaram os analistas da Mynt no relatório.

“Coincidência” favorável para novas máximas do bitcoin

O relatório da Mynt explica que, além do halving, coincidentemente na mesma época em que o evento já ocorreu anteriormente, outros fatores também favoreciam movimentos de alta do bitcoin e de outras criptomoedas.

“Há também o fato curioso de que, embora os halvings reduzam a oferta e possam influenciar o preço da criptomoeda, eles frequentemente coincidem com eventos significativos no mercado cripto”, diz o relatório, disponível na íntegra no site do BTG Pactual.

“Por exemplo, o halving de 2024 ocorrerá no momento que a introdução de ETFs de bitcoin à vista está atraindo bilhões de dólares em influxos de capital. Esses fundos negociados em bolsa nos EUA permitem que grandes instituições invistam diretamente em bitcoin, aumentando a demanda e potencialmente amplificando os efeitos do halving”, acrescentaram os especialistas João Galhardo, Lucas Osório, Lucas Josa e Lucas Costa, que assinam o relatório.

“Além da dinâmica interna de oferta e demanda do bitcoin, fatores do mercado mais amplo também desempenham papéis significativos na valorização da criptomoeda, como o início do ciclo de queda de juros nos Estados Unidos, esperado para junho deste ano”, concluem.

O fato é que após os três últimos halvings, o preço do bitcoin atingiu novas máximas históricas menos de um ano depois. Agora, a principal criptomoeda do mercado já atingiu máximas históricas consecutivas em março, parando em US$ 73 mil, patamar em que já multiplicou de preço 1,4 milhão de vezes desde 2010.

Altas anteriores não garantem movimentos futuros

Apesar disso, o relatório da Mynt avisa que movimentos de alta expressivos terem acontecido após halvings não é uma garantia de que o mesmo ocorrerá agora em 2024.

“É importante mencionar que a redução na emissão de novos bitcoins do halving de 2024 pode não apresentar o mesmo impacto que os halvings anteriores. Isso se deve ao fato de o nível inflacionário da blockchain já ter se reduzido significativamente e pelo próximo corte na emissão de novos bitcoins ser menos significativo em relação ao volume de negociações que o mercado apresenta hoje”, destaca o documento.

Os especialistas ainda afirmam que é importante que investidores estejam atentos ao cenário macroeconômico e fiscal dos EUA e o potencial aumento em tensões geopolíticas. Essa semana, o ataque de drones e mísseis do Irã contra Israel ajudou a fazer com que a cotação do bitcoin e das principais criptomoedas despencasse.

Essas questões “deverão oferecer um pano de fundo interessante para a criptomoeda, principalmente na sustentação da tese de que ele pode servir como um ativo de valor em tempos de incerteza econômica e política”, concluiu o relatório.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativosMineração de bitcoinBTG Pactual

Mais de Future of Money

Por que as marcas não podem ignorar o blockchain: a transformação da interação com o consumidor

A solução para as barreiras de liquidez global nos investimentos

Investidores institucionais não acreditam em alta do bitcoin no curto prazo, aponta relatório

Dolce & Gabbana é processada nos EUA após problemas em coleção de NFTs

Mais na Exame