Future of Money

Banco do Brasil está entre maiores investidores institucionais do ETF de bitcoin da BlackRock

Novo fundo de investimento na criptomoeda foi lançado em janeiro de 2024 e se tornou o maior do segmento, com bilhões em investimentos

BlackRock lançou ETF de bitcoin em janeiro de 2024 (Bloomberg/Bloomberg)

BlackRock lançou ETF de bitcoin em janeiro de 2024 (Bloomberg/Bloomberg)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 18 de abril de 2024 às 15h22.

O Banco do Brasil está entre os principais investidores institucionais do fundo negociado em bolsa (ETF, na sigla em inglês) de bitcoin lançado pela BlackRock. A lista com os maiores investidores do produto foi divulgada nesta semana por Eric Balchunas, analista de ETFs da Bloomberg, em uma publicação no X, antigo Twitter.

Pelos dados, o Banco do Brasil ocupa atualmente a oitava posição na lista de maiores investidores institucionais, com US$ 1,59 milhão (mais de R$ 8 milhões, na cotação atual) em cotas do fundo adquiridas nos últimos meses. Já o banco BTG Pactual está na 18ª posição, com um aporte total de US$ 275 mil.

Balchunas destacou na publicação que, até o momento, há aproximadamente 30 investidores institucionais que relataram oficialmente terem investido no ETF de bitcoin da BlackRock, uma cifra que equivale a 0,2% do total de cotistas do fundo. Segundo o analista, a maior parte desse grupo de investidores é de "fundos ou consultores".

Em um comentário à postagem, Balchunas disse que isso não signfica que 99% dos cotistas do fundo da BlackRock sejam varejistas, pois alguns investidores institucionais podem não ter declarado ainda as suas participações. No entanto, disse Balchunas, "sim, isso também significa que há muitos investidores do varejo [investidos no IBIT]."

Balchunas disse também que "essa é apenas a ponta do iceberg" dos aportes institucionais, antevendo um crescimento significativo nos aportes desta classe de investidores no futuro. Ele citou como exemplo o ETF de futuros de bitcoin da ProShares, o primeiro fundo com exposição a criptomoedas lançado nos Estados Unidos e que tem atualmente 42% das suas cotas em posse de investidores institucionais.

O maior cotista institucional desse fundo é a Brookstone Capital, uma plataforma de gerenciamento de ativos que oferece suporte a consultores financeiros independentes. A empresa também relatou recentemente possuir US$ 6,22 milhões em cotas do ETF de bitcoin da BlackRock.

Os investimentos do Banco do Brasil no ETF estão sendo realizados pelo BB Multimercado Criptoativos Full, um fundo lançado pela instituição em fevereiro de 2022 e que investe 100% dos recursos captados em ETFs e fundos de criptoativos negociados em diversos países.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BlackRockBB – Banco do BrasilBitcoin

Mais de Future of Money

Análise: pressão vendedora aumenta no bitcoin, que tem último fundo em US$ 59.500

Brasil está em "grupo seleto de países" com regulação para criptomoedas, aponta estudo

Vítimas da FTX serão ressarcidas com juros após nova gestão recuperar bilhões além da dívida

Parlamentares divergem na regulação de criptoativos, mas defendem mais segurança para investidores

Mais na Exame