Future of Money

Amy Webb: Brasil está vivendo no passado e precisa se preparar para superciclo tecnológico

Futurista destacou o potencial do mercado brasileiro, mas com necessidade de mudar pensamento entre lideranças para a inovação

Amy Webb é uma das mais famosas futuristas do mundo (Febraban Tech/Divulgação/Divulgação)

Amy Webb é uma das mais famosas futuristas do mundo (Febraban Tech/Divulgação/Divulgação)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 27 de junho de 2024 às 15h05.

Última atualização em 28 de junho de 2024 às 10h42.

A futurista Amy Webb participou nesta quinta-feira, 27, do último dia do evento Febraban Tech 2024, em que compartilhou seu diagnóstico sobre o atual momento socioeconômico do Brasil considerando os inúmeros avanços tecnológicos que têm atraído a atenção do mercado e da população, com destaque para a inteligência artificial.

Na visão de Webb, "a indústria bancária está no epicentro da transformação digital no Brasil". "Dizem que [os bancos] estão se movendo devagar, que as big techs estão indo mais rápido, e os bancos estão indo devagar, mas não é bem assim", aponta a especialista em novas tecnologias.

Em sua fala, Webb destacou que o Brasil é chamado de "país do futuro" desde 1941, e essa frase voltou a ganhar força em 2024, com uma performance econômica melhor que o esperado e na comparação com outros países. Entretanto, ela avalia que "o Brasil ainda está vivendo no passado em alguns sentidos".

"As maiores empresas do Brasil, que mais contribuem com a economia, ainda são do século 20, de commodities, mineração, agricultura. Elas ajudaram a desenvolver o ecossistema brasileiro, estão indo melhor que o esperado, mas são indústrias que estão no processo de uma disrupção. A mudança está vindo", alertou.

Webb afirmou que é preciso que as indústrias brasileiras "liderem o país, a região e o mundo", mas isso exige uma mudança de postura das lideranças empresariais em relação às novas tecnologias: "Os líderes estão agindo de forma estranha, priorizando a iteração ao invés da inovação. O foco está em manter o status quo, então estão parados".

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

"Quando pensamos em inteligência artificial, era difícil conseguir a atenção dos líderes. Agora, todos estão interessados, mas guiados ou por medo ou pelo FOMO ['medo de ficar de fora', na tradução literal]. As indústrias não estão se preparando para a transformação gerada pela IA, não estão se movendo rapidamente e preferem uma abordagem rígida, de cima para baixo", comentou.

A futurista explicou que, por um lado, as grandes empresas estão paralisadas, com dificuldade para lidar com novas tecnologias e a inovação necessária. Já as empresas jovens, como startups, "acham que estão perdendo a onda e precisam se mover rápido, quase sem pensar".

É necessário, portanto, que as empresas tenham o que a futurista chama de "previsão estratégica", entendendo onde e como atuar. "Toda a indústria do planeta está em uma transição. É normal se sentir sobrecarregado. Uma sensação de que não está se movendo rápido o suficiente, com uma competição intensa. O Brasil pode ser o país do futuro, mas precisa se desprender do medo e do FOMO", disse Webb.

E essa mudança é ainda mais urgente devido ao cenário de um "superciclo de tecnologia", algo que Webb afirma ser inédito na história mundial. Em geral, tecnologias disruptivas surgiam de forma individual, como a eletricidade, a energia a vapor e a internet. Dessa vez, porém, Webb vê uma combinação de três novas tecnologias: a inteligência artificial, os sensores e a biotecnologia, apoiada na "Internet das Coisas".

"Pode ser um grande ciclo de produtividade. Cada uma é uma tecnologia com propósito geral. Elas podem radicalmente remodelar uma economia e a sociedade. Quando essas tecnologias se expandem, há um superciclo de alta demanda que eleva os preços de commodities e outros serviços. É algo que pode se estender por anos, décadas, e vai gerar mudanças estruturais na economia", projeta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialBiotecnologiaInternet das Coisas - IoT

Mais de Future of Money

Bitcoin encerra semana com recuperação, mas riscos com pressão de venda continuam

SEC encerra investigações sobre criptomoeda pareada ao dólar BUSD

MicroStrategy, maior detentora de bitcoin, anuncia desdobramento de ações nos EUA

Ethereum ronda maior nível de criptos "travadas" em staking, enquanto mercado espera ETFs

Mais na Exame