• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Brasil lança satélite 100% nacional no domingo. A missão dele: proteger a Amazônia

Equipamento desenvolvido por órgãos do governo federal deve monitorar evolução do desmatamento na região
Vista aérea da Amazônia: primeiro satélite de observação da Terra completamente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil vai monitorar a região (Getty Images/Agência)
Vista aérea da Amazônia: primeiro satélite de observação da Terra completamente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil vai monitorar a região (Getty Images/Agência)
Por Leo BrancoPublicado em 26/02/2021 08:03 | Última atualização em 26/02/2021 08:04Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Amazonia-1 é o primeiro satélite de observação da Terra completamente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil. Projetado para se deslocar periodicamente do polo norte para o polo sul (órbita polar), coletando imagens apenas durante o dia quando a luz solar incide sobre as localidades de interesse (sol síncrona), funcionará a uma altitude média de 752 km acima da superfície da Terra.

Saiba mais sobre ESG e leve valor para a sua carreira e para o seu negócio com as práticas ambientais, sociais e de governança

Este satélite gerará imagens a partir de sua câmera óptica de visada larga (três bandas de frequências no espectro visível e uma banda próxima do infravermelho – Near Infrared). Essa câmera será capaz de observar uma faixa de aproximadamente 850 km de terreno produzindo imagens de 60 metros de resolução a cada cinco dias.

As imagens geradas poderão ser utilizadas para observar e monitorar o desmatamento especialmente na região amazônica, contribuindo com programas de monitoramento da floresta, como o Deter/INPE.

A alta taxa de revisita de cinco dias aumenta a probabilidade de capturar imagens com baixa cobertura de nuvens, aumentando a capacidade nacional de identificar desmatamentos e orientar ações de fiscalização.

O Amazônia 1 permitirá também monitorar a agricultura em todo o território nacional, além de atender aplicações como monitoramento da região costeira, reservatórios de água, florestas naturais e cultivadas, desastres ambientais, entre outros.

Além dos ganhos com relação ao monitoramento, o Amazônia 1 representa um importante avanço para a tecnologia espacial nacional. Seu desenvolvimento foi coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e conduzido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB). O projeto contou ainda com forte participação da indústria nacional para o desenvolvimento e fabricação de subsistemas e equipamentos.

No dia 19 de fevereiro de 2021, o Amazônia 1 foi transportado para a torre de lançamento e integrado ao veículo lançador PSLV, da agência espacial indiana (Indian Space Research Organisation - ISRO). O lançamento está previsto para o dia 28 de fevereiro de 2021, às 01:54h (horário de Brasília).

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.