Esfera Brasil
Um conteúdo Esfera

“Arcabouço deve ser aprovado neste semestre”, diz secretária do Planejamento

Em encontro da Esfera Brasil, Leany Lemos, que trabalha com a ministra Simone Tebet, afirmou que a proposta sinaliza o controle das despesas do Estado

Leany Lemos afirmou que o arcabouço é um avanço na área fiscal do país e acredita na aprovação do texto pelo Congresso (Esfera Brasil/Divulgação)

Leany Lemos afirmou que o arcabouço é um avanço na área fiscal do país e acredita na aprovação do texto pelo Congresso (Esfera Brasil/Divulgação)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 25 de abril de 2023 às 15h46.

Última atualização em 25 de abril de 2023 às 16h39.

A secretária nacional de Planejamento, Leany Lemos, afirmou nesta segunda-feira, 24, que acredita que o arcabouço fiscal, apresentado pela equipe econômica do governo Lula, deve ser aprovado ainda neste semestre. “O arcabouço é uma importante sinalização de controle de despesas do Estado. É para dar credibilidade para o mercado”, disse em encontro promovido pela Esfera Brasil, em São Paulo.

De acordo com a secretária, que trabalha na equipe da ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, “o avanço é no sentido de consolidar e ampliar as institucionalidades que tratam da área fiscal no Brasil. O governo está colocando limites à despesa que, dentro de um determinado cenário, aponta para um superávit primário”.

O arcabouço é um conjunto de dispositivos constitucionais e regulamentos que tem como objetivo mostrar a investidores, sociedade e agentes internacionais como o governo pretende manter sob controle as contas públicas, mas também realizar investimentos nos próximos anos.

Segundo Leany, o arcabouço vem seguido de outras medidas econômicas que trarão impacto no longo prazo, como a reforma tributária, fundos garantidores e novas regras de fomento ao crédito, “o que vai trazer uma melhoria para o ambiente de negócios e é o que o mercado espera há muito tempo”.

Veja também: Novo arcabouço fiscal: um bom começo, mas repleto de desafios

Reforma tributária pode impactar negativamente o setor de serviços; saiba como

A secretária de Planejamento também citou como avanço as recentes mudanças em normas da lei de Parcerias Público-Privada (PPPs) e concessões, que pretendem permitir que estados e municípios façam mais concessões em serviços.

Mas a proposta do novo arcabouço fiscal ainda precisa passar por aprovação do Congresso Nacional e pode sofrer alterações.

Planejamento

É responsabilidade desta gestão do Ministério do Planejamento e Orçamento cuidar do Plano Plurianual (PPA) 2024-2027, que estabelece as prioridades de gastos para os próximos quatro anos, os programas de governo e o acompanhamento das políticas públicas. É o principal instrumento de planejamento orçamentário de médio prazo do governo federal e nele estão os objetivos, metas e indicadores.

Ela aposta em um documento elaborado com base em resultados e Key Performance Indicators (KPIs), mas também com contribuições da sociedade. O projeto de lei do PPA vai ao Congresso no fim de agosto.

Acompanhe tudo sobre:Novo arcabouço fiscaleconomia-brasileiraMinistério do Planejamento

Mais de Esfera Brasil

Museu das Amazônias terá US$ 800 mil do Banco de Desenvolvimento da América Latina e Caribe

BNDES monta escritório em Porto Alegre para apoio a empresários gaúchos

Utilização de fontes renováveis de energia garante economia de R$ 6,5 mi à Multiplan

Governo já trabalha nos sistemas para apuração e distribuição do IBS e da CBS

Mais na Exame