Acompanhe:

Alinhar economia e sustentabilidade é missão do Brasil em Davos

Evento reúne líderes de 130 países e quer colaboração em um mundo fragmentado; ideia é atrair investimentos externos e apresentar o novo plano econômico

Modo escuro

Continua após a publicidade
A 53ª edição do evento, que reúne chefes de Estado, ministros, líderes empresariais e ativistas de 130 países, começou nesta segunda-feira (16) e vai até sexta (20) (WEF/Divulgação)

A 53ª edição do evento, que reúne chefes de Estado, ministros, líderes empresariais e ativistas de 130 países, começou nesta segunda-feira (16) e vai até sexta (20) (WEF/Divulgação)

E
Esfera Brasil

Publicado em 17 de janeiro de 2023 às, 10h00.

Apesar do cenário adverso no mundo, com a guerra na Ucrânia, inflação em alta e sinais de desaceleração da economia, o Brasil chega ao Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, com a missão de mostrar que o país está comprometido com a responsabilidade fiscal e a agenda ambiental e que ambos podem andar juntos.

A 53ª edição do evento, que reúne chefes de Estado, ministros, líderes empresariais e ativistas de 130 países, começou nesta segunda-feira (16) e vai até sexta (20), com painéis e debates sob o tema “Cooperação em um mundo fragmentado”.

Serão mais de 2.700 participantes. O Brasil será representado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e pela ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que é referência no debate sobre as mudanças climáticas. Além dos eventos oficiais, outros encontros ocorrem entre os convidados.

Este é o primeiro evento presencial, no formato original, desde o início da pandemia de Covid-19. O fundador do Fórum é Klaus Schwab, presidente executivo do WEF (World Economic Forum - sigla em inglês). Os debates pretendem incentivar que as lideranças mundiais trabalhem juntas em soluções para as questões econômicas, de infraestrutura, comércio, investimentos, mas também em assuntos ligados à natureza, clima e sustentabilidade. Os encontros deste ano acontecem sob a ameaça de uma recessão global.

Brasil

Haddad tem como missão mostrar que o governo tem um plano econômico estruturado para retomada do crescimento, está preocupado com a responsabilidade fiscal e tem instituições fortes. O objetivo é atrair investimentos externos ao país.

Já Marina Silva quer provar que o Brasil está alinhado com a pauta ambiental e a agenda verde e quer ser protagonista em debates sobre as mudanças climáticas.

Além dos ministros, outros representantes brasileiros estarão presentes em Davos, entre eles o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), do Pará, Helder Barbalho (MDB), e Eduardo Leite (PSDB) do Rio Grande do Sul.

Últimas Notícias

Ver mais
Projeto libera rotas domésticas para empresas estrangeiras
Esfera Brasil

Projeto libera rotas domésticas para empresas estrangeiras

Há 15 horas

Brasil tenta fortalecer Sul Global e liderar reformas em organismos internacionais
Esfera Brasil

Brasil tenta fortalecer Sul Global e liderar reformas em organismos internacionais

Há um dia

Brasil terá demanda crescente de energia até 2026, diz relatório da IEA
Esfera Brasil

Brasil terá demanda crescente de energia até 2026, diz relatório da IEA

Há 2 dias

Brasil investiu US$ 34,8 bilhões em transição energética em 2023
Esfera Brasil

Brasil investiu US$ 34,8 bilhões em transição energética em 2023

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais