• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.85
  • AERI3 R$ 3,64 -1.62
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 19,01 -0.47
  • ALUP11 R$ 26,80 0.75
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 30,05 -1.60
  • AMER3 R$ 23,47 1.65
  • AMZO34 R$ 66,64 -0.42
  • ANIM3 R$ 5,45 -1.09
  • ARZZ3 R$ 81,36 0.20
  • ASAI3 R$ 15,96 3.30
  • AZUL4 R$ 21,10 -0.66
  • B3SA3 R$ 12,04 1.95
  • BBAS3 R$ 37,00 3.64
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.85
  • AERI3 R$ 3,64 -1.62
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 19,01 -0.47
  • ALUP11 R$ 26,80 0.75
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 30,05 -1.60
  • AMER3 R$ 23,47 1.65
  • AMZO34 R$ 66,64 -0.42
  • ANIM3 R$ 5,45 -1.09
  • ARZZ3 R$ 81,36 0.20
  • ASAI3 R$ 15,96 3.30
  • AZUL4 R$ 21,10 -0.66
  • B3SA3 R$ 12,04 1.95
  • BBAS3 R$ 37,00 3.64
Abra sua conta no BTG

Varejo se recupera e reflete precariedade do mercado de trabalho, diz IBGE

Pesquisa em outubro teve retração de 0,4% na série com ajuste sazonal, demonstrando que o setor permanece em recuperação, mas com perda de ritmo na margem
Varejo: no mês, conforme o IBGE, o comércio operou no mesmo patamar de 2015 (Thinkstock/Yamini Chao)
Varejo: no mês, conforme o IBGE, o comércio operou no mesmo patamar de 2015 (Thinkstock/Yamini Chao)
Por Fernanda Nunes, do Estadão ConteúdoPublicado em 13/12/2018 18:26 | Última atualização em 13/12/2018 18:26Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Rio - A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) de outubro, que apresentou variação negativa de 0,4 por cento na série com ajuste sazonal, demonstra que o setor permanece em recuperação, mas com perda de ritmo na margem. No mês, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o comércio operou no mesmo patamar de novembro de 2015.

"Vamos observar os dois últimos anos", afirmou a gerente da pesquisa, Isabella Nunes, ao avaliar se 2018 poderá ser caracterizado com um ano de recuperação, após um período de crise, iniciada em meados de 2014.

A avaliação é que a precariedade do mercado de trabalho cria limitações para o consumo ser mais relevante. Há limitações, principalmente, em atividades que dependem do financiamento.

Em outubro, os segmentos de consumo de primeira necessidade, como alimentos e remédios, influenciaram positivamente na formação da taxa. Porém, foi intensa a queda de outros segmentos, com destaque para combustíveis, móveis e eletrodomésticos, e tecidos.

Na série com ajuste sazonal, a atividade de combustíveis e lubrificantes caiu 1,2 por cento; a de móveis e eletrodomésticos, 2,5 por cento; e a de tecidos, vestuários e calçados, 2 por cento.

"O comportamento dos combustíveis responde ao aumento dos preços. Já o grupo de vestuários e calçados passou por quatro meses seguidos de crescimento (até setembro), período em que acumulou alta de 6,7 por cento. Enquanto a venda de eletrodoméstico está relacionado a financiamento", destacou a responsável pela pesquisa.

O desempenho do comércio em outubro só não foi pior por causa do consumo básico, como hipermercados e farmacêuticos, por conta da estabilidade da renda e crescimento da população ocupada. Mas, pela baixa intensidade da alta, essas atividades não tiveram capacidade de compensar perdas em outros segmentos.