Acompanhe:

Projeção de inflação para 2022 cede de 6,70% para 6,61%, mostra Boletim Focus

Já a expectativa de crescimento para este ano aumenta e para 2023 se aproxima de 0,5%

Modo escuro

Continua após a publicidade
Moeda brasileira: projeção de inflação para 2022 cede de 6,70% para 6,61%, mostra Boletim Focus (Getty Images/Getty Images)

Moeda brasileira: projeção de inflação para 2022 cede de 6,70% para 6,61%, mostra Boletim Focus (Getty Images/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 5 de setembro de 2022 às, 09h20.

Última atualização em 5 de setembro de 2022 às, 10h05.

O Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 5, mostrou continuidade do movimento de melhora das expectativas de inflação para este e o próximo ano, mas as taxas continuam indicando que o Banco Central (BC) não deve cumprir seu mandato principal por três anos consecutivos.

Para 2022, a estimativa para alta do IPCA - índice de inflação oficial - foi reduzida pela 10ª semana seguida, de 6,70% para 6 61%, reflexo das desonerações patrocinadas pelo governo para baixar os combustíveis e a energia e também do recuo dos preços da gasolina. Há um mês, a projeção era de 7,11%. Em relação a 2023, a mediana recuou pela terceira semana consecutiva, de 5 30% para 5,27%, contra 5,36% quatro semanas antes.

Considerando somente as 56 estimativas atualizadas nos últimos 5 dias úteis, a mediana para 2022 passou de 6,61% para 6,27%. Para 2023, variou de 5,34% para 5,09%.

As medianas divulgadas na Focus desta semana continuam a apontar para três anos consecutivos de estouro da meta a ser perseguida pelo Banco Central, após o descumprimento já observado em 2021, com o IPCA de 10,06%. O alvo para 2022 é de 3,50%, com tolerância superior de até 5,00%, enquanto, para 2023, a meta é de 3,25%, com banda até 4,75%.

Mostrando sinais de desancoragem mais ampla, a mediana para o IPCA de 2024 passou de 3,41% para 3,43%, contra 3,30% há um mês. A previsão para 2025 permaneceu em 3,00%, porcentual igual ao de 60 semanas atrás. A meta para os dois anos é de 3,00%, com intervalo de 1,5% a 4,5%.

No Comitê de Política Monetária (Copom) de agosto, o BC atualizou suas projeções para a inflação com estimativas de 6,8% em 2022, 4,6 % em 2023 e 2,7% para 2024. O colegiado elevou a Selic em 0,50 ponto porcentual, para 13,75% ao ano.

Outros meses

Os economistas do mercado financeiro passaram a prever deflação maior para o IPCA de agosto, de -0,31% para -0,35%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Um mês antes, o porcentual projetado era de queda de 0,15%.

Para setembro, a estimativa de alta do IPCA no Focus cedeu de 0 33% para 0,28%, ante 0,50% há quatro semanas. Para o índice de outubro, a expectativa de aumento variou de 0,53% para 0,52%, de 0,54% um mês antes.

A estimativa para a inflação suavizada para os próximos 12 meses por sua vez, acelerou, de alta de 5,59% para 5,62% de uma semana para outra - há um mês, estava em 5,69%.

Projeção do PIB passa de 2,10% para 2,26%

Após a forte surpresa com o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre (1,2%), o mercado voltou a elevar as projeções para o resultado deste ano no Focus.

A projeção para a alta do PIB em 2022 passou de 2,10% para 2,26%, décima alta seguida, contra 1,98% há um mês. A estimativa para a expansão do PIB em 2023 passou de 0,37% para 0,47%, ante 0,40% um mês antes.

Considerando apenas as 45 respostas nos últimos cinco dias úteis a estimativa para o PIB no fim de 2022 avançou ainda mais, de 2 10% para 2,38%. No caso de 2023, houve 44 atualizações nos últimos cinco dias úteis, com variação da mediana de 0,35% para 0,50%.

O Relatório de Mercado Focus ainda mostrou manutenção na projeção para o crescimento do PIB em 2024 em 1,80%. Para 2025, a mediana foi mantida em 2,00%. Quatro semanas atrás, as taxas eram de 1,70% e 2,00%, respectivamente.

Ele também mostrou estabilidade na projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2022. A mediana continuou em 59,00%, de 59,15% um mês atrás.

O relatório trouxe ainda a manutenção da perspectiva para a relação entre o resultado primário e o PIB deste ano, com o mercado prevendo superávit de 0,30% - mesma projeção de quatro semanas antes. Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2022 passou de 6,80% para 6,75%, ante 6,80% de um mês atrás.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Em relação a 2023, a estimativa para a dívida líquida em relação ao PIB cedeu de 63,50% para 63,30%, de 63,70% há um mês. A mediana para o déficit primário se deteriorou ligeiramente, de 0 49% para 0,50% do PIB. Para o rombo nominal, a estimativa continuou em 7,70%. Os porcentuais eram negativos em 0,30% e 7 70%, respectivamente, há quatro semanas.

Balança comercial

Os economistas do mercado financeiro alteraram a estimativa de superávit da balança comercial em 2022 de US$ 68,06 bilhões para US$ 68,03 bilhões, ante os mesmos US$ 68,03 bilhões de um mês atrás, segundo a pesquisa Focus. Para 2023, a projeção continuou em US$ 60,00 bilhões, mesmo valor esperado há quatro semanas.

No caso da projeção de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos em 2022, a mediana passou de US$ 18,50 bilhões para US$ 19,10 bilhões, contra US$ 18,00 bilhões de um mês atrás. Em 2023, a projeção para o rombo em transações correntes continuou em US$ 30,00 bilhões, mesma expectativa de um mês antes.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o rombo em transações correntes nesses anos. A mediana das previsões para o IDP em 2022 subiu de US$ 58,00 bilhões para US$ 60,00 bilhões, ante US$ 57,20 bilhões de um mês atrás. Para 2023 foi elevada de US$ 65,50 bilhões para US$ 66,00 bilhões, de US$ 61,00 bilhões há quatro semanas.

Selic

A projeção para a taxa Selic no fim de 2022 continuou em 13,75% pela 11ª semana seguida. Este é atual nível da taxa, o que mostra a expectativa majoritária do mercado financeiro é de que o ciclo de alta de juros se encerrou no Comitê de Política Monetária (Copom) de agosto. Há um mês, o porcentual já era de 13,75%.

Já a mediana para a Selic no final de 2023 passou de 11,00% para 11,25%, ante 11,00% de quatro semanas antes. Considerando apenas as 41 respostas nos últimos cinco dias úteis, a expectativa para o juro básico no fim deste ano também seguiu em 13,75%. Para o término de 2023, as 39 revisões feitas nos últimos cinco dias úteis, por sua vez, reduziram a mediana de 11,25% para 11,00%

No Copom de agosto, a Selic subiu 0,50 ponto porcentual, de 13 25% para 13,75%, e o colegiado disse que vai avaliar a necessidade de uma alta adicional, de 0,25pp, em setembro.

Na ata, o Banco Central (BC) acrescentou que avalia que a estratégia exigida para trazer a inflação para o "redor da meta" no horizonte relevante considera o aumento definido para 13,75% em agosto e a manutenção da taxa em território bastante contracionista por um período longo.

Porém, o Copom disse que ficará "vigilante" para avaliar se esse plano será suficiente. Mais recentemente, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, reforçou que não é momento de "baixar a guarda".

Conforme o Boletim Focus, a previsão para a Selic no fim de 2024 continuou em 8,00%, mesmo porcentual de um mês atrás. Já a mediana para o fim de 2025 foi mantida em 7,50%, repetindo a taxa de quatro semanas antes.

Câmbio

O Relatório de Mercado Focus mostrou manutenção no cenário da moeda norte-americana em 2022 e 2023 pela sexta semana seguida.

A estimativa para o câmbio este ano continuou em R$ 5,20, mesmo valor de um mês antes. Para 2023, também permaneceu em R$ 5,20, repetindo a estimativa de quatro semanas atrás.

A projeção anual de câmbio publicada no Focus é calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano, como era até 2020. Com isso, o Banco Central espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.

Últimas Notícias

Ver mais
Picchetti: Brasil está sendo encarado como exemplo na inclusão financeira
Economia

Picchetti: Brasil está sendo encarado como exemplo na inclusão financeira

Há um dia

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS
Economia

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS

Há 2 dias

Drex: lançamento do real digital pode atrasar, aponta coordenador do Banco Central
Future of Money

Drex: lançamento do real digital pode atrasar, aponta coordenador do Banco Central

Há 3 dias

Boletim Focus: projeção do PIB em 2024 sobe pela segunda semana seguida
Economia

Boletim Focus: projeção do PIB em 2024 sobe pela segunda semana seguida

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais