Portugal reafirma que começará a sair da crise em 2013

O governo português confia na obtenção de um avanço de 2,5% do PIB em 2016

Lisboa - Portugal, sob ajuda financeira da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), começará a entrar em recuperação em 2013, disse nesta segunda-feira o governo, garantindo que os objetivos do plano de ajuste aplicado serão cumpridos dentro do esperado.

"Ainda prevemos uma recessão para 2012 e pensamos que 2013 será o ano do início da recuperação econômica", disse o ministro de Finanças, Vitor Gaspar, após a adoção pelo Conselho de ministros de um projeto de estratégia orçamentária até 2016, que será submetido à aprovação do Parlamento e enviado nesta mesma segunda-feira à Comissão Europeia (CE).

Tanto a CE quanto o FMI preveem uma recessão de 3,3% do PIB em 2012 e um crescimento de 0,3% em 2013. Mais pessimista, o Banco de Portugal calcula um retrocesso de 3,4% do PIB este ano, seguido de um período de estancamento em 2013.

O governo português confia na obtenção de um avanço de 2,5% do PIB em 2016.

"O ajuste da economia portuguesa tem se desenvolvido dentro do previsto", disse o ministro.

Além disso, Gaspar anunciou que seu país prevê reduzir seu déficit público a 1% do PIB em 2015 e a 0,5% em 2016.

Portugal se comprometeu a reduzir seu déficit público a 4,5% do PIB este ano e a 3% ao final de 2013. No ano passado, o déficit das contas públicas chegou a 4,2% frente a 9,8% em 2010.

Apesar de a imprensa local especular sobre um novo anúncio de medidas de austeridade para permitir que Portugal cumpra seus compromissos macroeconômicos, Gaspar afirmou que os documentos aprovados nesta segunda-feira não contêm nenhuma novidade substancial.


Contudo, o Partido Socialista, na oposição, disse que o prazo acordado no Parlamento para ler este documento é muito curto e ameaça não aprová-lo.

Até o momento, os socialistas portugueses deram um apoio crítico ao governo de centro-direita do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho e a seu plano de reformas e de austeridade, elaborado em resposta à ajuda internacional.

"O PS não firmará com os olhos fechados e sem debate um documento que será enviado a Bruxelas", disse o líder da formação, Antonio José Seguro.

Caso essa ameaça se realize de fato, será um duro golpe ao consenso político que Portugal tem demonstrado durante a implantação de seu plano de resgate financeiro, o que, segundo as instituições internacionais credoras, é uma das razões que explicam seu êxito.

Em maio de 2011, Portugal obteve um empréstimo de 78 bilhões de euros da UE e do FMI e se comprometeu a estabelecer um programa de rigor e de reformas em três anos.

Este montante servirá para suprir as necessidades de financiamento do país até setembro de 2013, mas muitos analistas expressaram suas dúvidas sobre o cumprimento deste calendário e acreditam que Portugal poderá precisar de outro plano de ajuda.

O ministro Gaspar, no entanto, rejeita essa possibilidade."Desde que temos um programa de ajuste, nossas perspectivas de retorno aos mercados em curso nunca foram tão positivas", disse Seguro.

Na quarta-feira, Portugal emitirá entre 1,25 e 1,5 bilhões de euros em bônus do Tesouro a seis e doze meses.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.