• AALR3 R$ 20,18 -0.59
  • AAPL34 R$ 65,83 -2.20
  • ABCB4 R$ 16,79 -3.17
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.85
  • AERI3 R$ 3,68 -0.54
  • AESB3 R$ 10,76 0.56
  • AGRO3 R$ 30,88 0.13
  • ALPA4 R$ 20,33 -1.98
  • ALSO3 R$ 19,02 -0.42
  • ALUP11 R$ 26,70 0.38
  • AMAR3 R$ 2,40 -1.64
  • AMBP3 R$ 29,90 -2.10
  • AMER3 R$ 23,42 1.43
  • AMZO34 R$ 65,88 -1.55
  • ANIM3 R$ 5,45 -1.09
  • ARZZ3 R$ 80,07 -1.39
  • ASAI3 R$ 15,85 2.59
  • AZUL4 R$ 20,97 -1.27
  • B3SA3 R$ 12,00 1.61
  • BBAS3 R$ 36,73 2.89
  • AALR3 R$ 20,18 -0.59
  • AAPL34 R$ 65,83 -2.20
  • ABCB4 R$ 16,79 -3.17
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.85
  • AERI3 R$ 3,68 -0.54
  • AESB3 R$ 10,76 0.56
  • AGRO3 R$ 30,88 0.13
  • ALPA4 R$ 20,33 -1.98
  • ALSO3 R$ 19,02 -0.42
  • ALUP11 R$ 26,70 0.38
  • AMAR3 R$ 2,40 -1.64
  • AMBP3 R$ 29,90 -2.10
  • AMER3 R$ 23,42 1.43
  • AMZO34 R$ 65,88 -1.55
  • ANIM3 R$ 5,45 -1.09
  • ARZZ3 R$ 80,07 -1.39
  • ASAI3 R$ 15,85 2.59
  • AZUL4 R$ 20,97 -1.27
  • B3SA3 R$ 12,00 1.61
  • BBAS3 R$ 36,73 2.89
Abra sua conta no BTG

Por que o BNDES virou 'sócio' da Mesbla e de outras empresas já extintas

Além da ex-gigante do varejo nos anos 90, banco estatal incorporou ainda a Motoradio, fabricante de equipamentos de som para automóveis, e a Pirâmides Brasília, de espuma para colchões
 (Reprodução/Rogério Carneiro)
(Reprodução/Rogério Carneiro)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 28/08/2021 09:34 | Última atualização em 28/08/2021 09:34Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A estratégia do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de vender ações de grandes companhias que detinha em sua carteira é um mantra da atual gestão, iniciada em julho de 2019. Desde então, foram vendidos cerca de R$ 70 bilhões, com destaque para operações bilionárias envolvendo papéis da Petrobras e da Vale. Em 2020, porém, o banco também se tornou acionista de empresas inoperantes, em recuperação judicial ou falidas, como Mesbla, Motoradio e Pirâmides Brasília.

A Mesbla era uma marca forte do varejo até os anos 1990, quando foi à falência. A Motoradio foi uma tradicional fabricante de equipamentos de som para automóveis nos anos 1970 e 1980. Já a Pirâmides Brasília, fabricante de espuma para colchões (com a marca Pira Spuma), era atuante até a década de 1970. Mesmo inoperante, uma empresa pode seguir existindo formalmente, por exemplo, como massa falida - e, portanto, ter ações.

A entrada dessas firmas no capital do banco vai na contramão da estratégia vendedora, mas o BNDES foi obrigado a fazer isso por causa da extinção do antigo Fundo PIS/Pasep, cujos recursos foram transferidos para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), em meio às medidas do governo federal para mitigar a crise econômica causada pela covid-19.

O BNDES ressaltou que as ações de firmas "em processos de recuperação ou falência ou outras situações inoperantes" foram "incorporadas" ao balanço da BNDESPar, a empresa de participações do banco, "sem nenhum custo para sua aquisição".

Com exceção da compra de uma fatia de 8% do capital da VLI, operadora ferroviária controlada pela Vale, as aquisições de ações de 2020 vieram do Fundo de Participação Social (FPS), uma "subconta" do Fundo PIS/Pasep.

Extinto com a transferência para o FGTS, o PIS/Pasep foi criado em 1975, não recebia novos recursos desde 1988 e era administrado pelo BNDES. Para executar a transferência de R$ 20 7 bilhões do PIS/Pasep sob sua administração, o BNDES foi obrigado a adquirir os ativos do FPS, porque os recursos transferidos tinham de ser "líquidos", ou seja, facilmente sacados pelos trabalhadores, explicou o banco.

Com a aquisição dos ativos do FPS, o BNDES se tornou acionista de empresas como a Mesbla, Motoradio, Pirâmides Brasília e outras como Paranapanema, Vulcabras, além de ter recebido mais ações da Petrobrás.

O último relatório de gestão do Fundo PIS/Pasep, de 2020, classifica como "com evidência qualitativa de perdas" as ações de Lorenz, Mesbla, Motoradio, Nova América, Pirâmides Brasília, Transparan, Usina Santa Olímpia, Brasperola, SAM, Chapecó, Kosmos e Madef.

Por todo o bolo do FPS, o BNDES pagou R$ 226,3 milhões, segundo o relatório de gestão do PIS/Pasep. O valor é pequeno perto do total da carteira de participações societárias do BNDES, avaliada em cerca de R$ 70 bilhões no fechamento do segundo trimestre. Mesmo após vender R$ 22 bilhões em ações da Petrobras numa megaoferta em fevereiro de 2020, a participação na petroleira segue sendo a maior na carteira do BNDES: 8,1% do capital da estatal, avaliados em R$ 30,9 bilhões.

Questionado sobre a estratégia para lidar com os ativos, o BNDES informou que "eventuais oportunidades de desinvestimento serão analisadas em conjunto com os demais ativos".

Veja Também

Transparência em gastos públicos: TCU e BNDES detalham uso de blockchain
Future of Money
Há uma semana • 5 min de leitura

Transparência em gastos públicos: TCU e BNDES detalham uso de blockchain

Gustavo Montezano: novo tom no BNDES
Um conteúdo Esfera Brasil
Há uma semana • 3 min de leitura

Gustavo Montezano: novo tom no BNDES

BNDES e TCU se unem para criar a Rede Blockchain Brasil
Future of Money
Há um mês • 2 min de leitura

BNDES e TCU se unem para criar a Rede Blockchain Brasil