Acompanhe:

Petrobras reduz preço em R$ 0,15 nas refinarias, segundo corte em um mês

Redução passa a valer nas refinarias da estatal a partir de sexta-feira, 29

Modo escuro

Continua após a publicidade
Petrobras: estatal afirmou que redução do preço ocorre em meio à baixa do petróleo no mercado internacional (Sergio Moraes/Reuters)

Petrobras: estatal afirmou que redução do preço ocorre em meio à baixa do petróleo no mercado internacional (Sergio Moraes/Reuters)

C
Carolina Riveira

Publicado em 28 de julho de 2022 às, 12h35.

Última atualização em 28 de julho de 2022 às, 21h34.

A Petrobras vai reduzir novamente o preço da gasolina em suas refinarias, segundo anúncio feito nesta quinta-feira, 28. O novo valor foi reduzido em R$ 0,15, uma queda de 3,9%, de R$ 3,86 para R$ 3,71 por litro.

Vá além do básico. Assine a EXAME e tenha acesso ilimitado às principais notícias e análises.

A alteração passa a valer a partir de sexta-feira, 29. 

Essa é a segunda redução no preço da Petrobras em menos de um mês. Em 19 de julho, a estatal havia anunciado redução de cerca de 5%, o equivalente a R$ 0,20.

"Essa redução acompanha a evolução dos preços de referência, que se estabilizaram em patamar inferior para a gasolina, e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global", disse a Petrobras em nota.

A Petrobras afirmou ainda que equaliza seus preços "sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio".

VEJA TAMBÉM: Ibovespa hoje: bolsa tem leve alta com recessão americana e balanços no radar

Mais tarde nesta quinta-feira, em comunicado separado, a Petrobras também anunciou que haverá redução no preço médio do querosene de aviação (QAV, redução de 2,6%), na gasolina de aviação (GAV, redução de 5,7%) e no asfalto (redução de 4,5%). A redução passa a valer em 1° de agosto.

Outros combustíveis, como diesel, GLP (usado no gás de botijão) e gás natural, seguem com os preços atuais.

As reduções no preço da Petrobras acontecem em meio à queda do preço do barril de petróleo no mercado internacional, com os temores de uma recessão global derrubando o preço da commodity.

Após ter encostado em quase US$ 130 por barril neste ano com a guerra na Ucrânia, o barril Brent teve quedas recentes e era cotado a perto de US$ 108 no começo da tarde desta quinta-feira.

Os dois cortes de preço no preço da gasolina em julho foram os primeiros feitos pela Petrobras desde dezembro.

Nos meses anteriores, em movimento contrário, a Petrobras vinha aumentado o preço da gasolina em suas refinarias, quando o petróleo estava em alta no mercado internacional.

Quanto vai cair o preço da gasolina?

Com o corte, a fatia da Petrobras no total do litro da gasolina cairá de R$ 2,81 para R$ 2,70, em média, segundo os cálculos da petroleira. Assim, a redução na prática é de ao menos R$ 0,11 no litro ao consumidor. 

O restante do preço final na bomba (hoje perto de R$ 6) diz respeito ao etanol anidro, adicionado à mistura da gasolina, tributos e cadeia de distribuição. Assim, os impactos ao consumidor podem variar nos diferentes postos e estados.

Antes do corte da Petrobras, o preço médio da gasolina vendida nos postos no Brasil, na semana encerrada em 23 de julho, ficou em R$ 5,89.

Os valores são medidos semanalmente pela Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis (ANP), em levantamento em mais de 5,5 mil postos nacionalmente.

(Arte/via Flourish/Exame)

Além disso, a redução no preço da gasolina da Petrobras diz respeito somente ao combustível nas refinarias da estatal, que respondem por cerca de 80% da gasolina vendida no Brasil. O restante é vendido por importadores ou refinarias privatizadas, já a preços de mercado.

Gasolina em queda

No geral, a gasolina vendida ao consumidor vem tendo queda neste mês. O preço da gasolina medido pela ANP (sem ajuste pela inflação) caiu 17% nas últimas quatro semanas. 

Além da cotação do barril de petróleo, que gera reflexos diretos no preço das importadoras e refinarias privadas para além da Petrobras, houve corte nas alíquotas de ICMS estadual e tributos federais zerados para a gasolina (os tributos federais já haviam sido zerados para o diesel anteriormente).

O corte de impostos vieram após um projeto de lei sobre o tema ser aprovado no Congresso em junho, estabelecendo o teto da alíquota do ICMS em 17% - na prática, uma redução frente aos mais de 25% na maioria dos estados anteriormente.

Desde então, estados anunciaram redução de suas alíquotas, embora um imbróglio judicial sobre o assunto continue na Justiça.

VEJA TAMBÉM: Mais vagas, menos dinheiro: os destaques da taxa de desemprego em 5 gráficos

A medida, embora sirva para reduzir o preço dos combustíveis, foi criticada pelo alto custo fiscal aos estados e uso de recursos hoje usados em serviços públicos como educação e saúde. A perda calculada na época da votação do projeto foi de R$ 115 bilhões para estados e municípios somente neste ano.

Na outra ponta, defensores do corte e o governo federal argumentam que a medida servirá para reduzir a inflação generalizada e que estados e municípios têm caixa para bancar a redução. A expectativa é que julho tenha "deflação" com os cortes nos combustíveis. A inflação brasileira no IPCA, principal índice inflacionário, fechou junho em 12%, um dos maiores patamares desde o início do Plano Real, mas a expectativa no mercado é que termine o ano abaixo de 8%.

Vá além do básico. Assine a EXAME e tenha acesso ilimitado às principais notícias e análises.

Leia também: Petrobras (PETR3/PETR4) tem lucro de R$ 54,3 bilhões no 2º tri/2022, alta de 27%

Últimas Notícias

Ver mais
Ataque do Irã a Israel pode elevar preço do petróleo e impactar preço da gasolina no Brasil
Economia

Ataque do Irã a Israel pode elevar preço do petróleo e impactar preço da gasolina no Brasil

Há 16 horas

AGU apresenta recurso contra afastamento de conselheiro da Petrobras
Brasil

AGU apresenta recurso contra afastamento de conselheiro da Petrobras

Há um dia

Ibovespa cai à mínima do ano com EUA e Petrobras; dólar atinge máxima de R$ 5,12
seloMercados

Ibovespa cai à mínima do ano com EUA e Petrobras; dólar atinge máxima de R$ 5,12

Há 2 dias

Suspensão na Petrobras, balanços de bancos dos EUA e Starbucks: os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Suspensão na Petrobras, balanços de bancos dos EUA e Starbucks: os assuntos que movem o mercado

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais