Economia

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA voltam a subir

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 778 mil, em comparação com 748 mil na semana anterior

EUA: aumento sugere que a explosão de novas infecções por covid-19 e restrições comerciais estão impulsionando as dispensas (Carlo Allegri/Reuters)

EUA: aumento sugere que a explosão de novas infecções por covid-19 e restrições comerciais estão impulsionando as dispensas (Carlo Allegri/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 25 de novembro de 2020 às 11h01.

O número de norte-americanos que entraram com pedidos de auxílio-desemprego pela primeira vez aumentou ainda mais na semana passada, sugerindo que uma explosão de novas infecções por covid-19 e restrições comerciais estavam impulsionando as dispensas e minando a recuperação do mercado de trabalho.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 778 mil em dado com ajuste sazonal na semana encerrada em 21 de novembro, em comparação com 748 mil na semana anterior, informou o Departamento do Trabalho dos EUA nesta quarta-feira.

Economistas consultados pela Reuters previam 730 mil solicitações na última semana.

Relatório separado do Departamento do Comércio nesta quarta-feira confirmou a expansão histórica da economia no terceiro trimestre. O Produto Interno Bruto cresceu a uma taxa atualizada não revisada de 33,1%, informou o governo em sua segunda estimativa do terceiro trimestre.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Seguro-desemprego

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame